Páginas

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Noite das Bruxas...

Vou iniciar este tópico, com uma afirmação popular: - Eu não acredito em Bruxas, mas que as há, há! (risos)

Esta noite nos países de influência Anglo-saxónica; EUA, Irlanda, Reino Unido e Canadá, comemora-se o Halloween, tradição perdida no tempo, por influência dos antigos povos Celtas e da sua cultura, o Druidismo e nesses países; mais logo á noitinha milhões de crianças, andarão pelas portas a gritar - Trick or Treat? (Doce ou travessura?).  Nos muros das propriedades estarão centenas de milhar de abóboras recortadas com efeito assustador, o famoso Jack, iluminadas no seu interior por uma vela em chama. É a noite de Halloween! Uma das festividades mais importantes para as pessoas que vivem nos já referidos países! Por cá, embora também se comemore, o nome pela qual a apelidámos é - Noite das Bruxas. Um pouco por todo o país, milhares de pessoas se disfarçam de bruxa e comemoram em plena folia, esta data, assim como aos poucos se vão vendo mais grupos de crianças, que vão batendo de porta em porta, com o grito ameaçador do - Doce ou travessura? Uso adoptado da tradição Norte Americana.



Um costume ancestral que data do tempo dos povos Celtas (cuja cultura muito admiro), das regiões da Gália e ilhas da Grã-Bretanha (França e Reino Unido), que marcava o final do Verão (SAMHAIN, vide wikipédia)  e se comemorava a noite dos mortos, a noite em que os espíritos daqueles que já tinham partido, voltavam á terra para visitar os seus familiares. É preciso entender que antes do Cristianismo, das invsasões romanas, as noções de céu e inferno ainda não existiam e para esses povos a morte era um acontecimento feliz, porque significava a passagem a uma outra vida, uma vida de felicidade onde não havia nem fome, nem dor. Não pretendendo alargar-me em explicações históricas, porque, também não sou historiador, posso afirmar muito resumidamente que o costume ficou e com o passar dos anos e de variadíssimas influências resultou na festividade tal como, actualmente, a conhecemos.

Para quem esta noite chuvosa, possa sair, cuidado...pois a qualquer momento poderá dar de caras ao virar de uma esquina, com uma Bruxa...ou um Demónio...ambos criaturas horrendas mas que se conquistam facilmente, com a oferta de uma pequena guloseima...é a noite das bruxas e aviso uma vez mais, que mesmo não acreditando, elas (as bruxas) esta noite, andarão por aí...(risos)! Convém levar uns rebuçadinhos no bolso das calças ou na bolsa, não vá o diabo tecê-las!

Doce ou travessura? Você é que decide...HAPPY HALLOWEEN! Húuuuuuuuuuu.....


domingo, 30 de outubro de 2011

Horário de Inverno. Vamos atrasar os relógios.

Para quem se possa ter (eventualmente) esquecido, vários países adoptaram hoje, o novo horário de Inverno. Portugal, não fez excepção e os relógios às duas da madrugada tiveram de ser atrasados uma hora. São, portanto, neste momento 11.46h, quando ontem a esta hora seriam 12.46h.

É uma mudança significativa no relógio biológico, mas que serve fundamentalmente para aproveitamento da luz solar. Assim, se continuássemos com o chamado horário de Verão, o Sol, nasceria mais tarde e por outro lado também se poria mais tarde, também. Em termos práticos, podemos afirmar que com este horário há um aproveitamento substancial das horas com luz solar, o que se traduz em aproveitamento energético. O Planeta, agradece. Isto, nos países mais distantes da linha do Equador (tal como o nosso), os países próximos a esta linha imaginária, têm sensivelmente a mesma duração de horas com luz solar (dia), assim como horas de escuridão (noite). Nestes casos, a grande maioria desses países não alteram os seus horários. Por cá traz a enfadonha sensação de dias muito mais pequenos, quando às seis horas da tarde (em breve) seja noite, já.

Confesso que a mim, particularmente, este horário me deixa um pouco para o deprimido, por precisamente ser noite muito mais cedo aliado ao facto do tempo invernal, que nesta época se vive.

Bom, são as convenções universais e temos de as respeitar. Se quisermos um pouco de optimismo, porque considero esta época bastante deprimente (perdoem-me a sinceridade), basta para tal pensar que apartir de 21 de Dezembro (Solstício de Inverno, no hemisfério norte), os mesmos dias (com mais horas de luz solar) começarão a crescer em tamanho e em Março voltamos ao horário de Verão!

Acreditem, se pudesse, em Novembro e Dezembro, transformava-me em Andorinha e partia rumo ao Sul...


sábado, 29 de outubro de 2011

Sugestão de leitura. "Viagem a Portugal".

Para este mês de Outubro, recomendo um livro que trata o nosso País. Portugal. País que vive tempos conturbados e de dificuldade social e financeira, mas, que continua aquele belo e simples lugarejo, onde em paz podemos (ainda) viver. Por isso convido a reflecti-lo. Abandonei, para este mês, a sugestão de leitura de livros de formato mais pequeno (em número de páginas), para sugerir um composto por 627, onde, sob o olhar do nosso prémio Nobel, se desenham em palavras, variados lugares, vilas, aldeias e cidades por onde passou, numa viagem que fez por Portugal Continental. O tempo frio e chuvoso também já se instalou por Lanheses e para aqueles que se querem deter por casa, no conforto do lar, nada como passar algumas horas lendo um livro e se detenham um pouco a reflectir, pela caneta de José Saramago, sobre um país como este nosso!



"Viagem a Portugal", não foca e nem retrata a sua opinião pessoal acerca dos locais visitados, mas como o próprio diz e passo a citar - "o autor não vem dar conselhos, embora sobreabunde em opiniões."
 
 
Não considero um livro de fácil leitura, (Saramago não é fácil de ser lido) mas, de qualquer modo, um dos melhores para através dele, vermos, conhecermos e pensarmos este nosso país. Não me alongo em considerações sobre o autor, porque até acerca dele já está tudo mais que dito e seria mais um a fazê-lo, maçando por ventura, quem esteja a ler este tópico. Sobre o livro posso dizer que nos mostra o país de Norte a Sul, (adorei as descrições do Norte, claro está), com pormenores deliciosos dos locais visitados e muitas vezes metaforizados, tornando-se (sem que o autor tivesse essa presunção) num excelente guia de viagens a realizar em Portugal.

Para aqueles que vão pela primeira vez ler José Saramago (e porque Saramago é um autor difícil), aconselho antes, um livro de leitura mais acessível e mais pequeno em formato, mas, não menos delicioso. Falo de "As Pequenas Memórias" (em breve o recomendarei mais pormenorizadamente) e o relato que Saramago faz da sua juventude em poucas páginas. Acabo, sem que fosse minha intenção de, neste post, fazer sugestão, não a um, mas a dois livros, facto marcadamente reflectido na grandiosidade que é termos Saramago, como autor e como português. Nada mais.
 
 
 
Recomendo vivamente e votos de boa leitura!


sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Sinais de um Outono que está a acelerar!

Em dia de chuva miudinha, essa mesma chuva que cai cândidamente e sem a inoportuna presença aliada do vento forte (típica do nosso clima), nada como passear pelo rio e pelo Parque Verde e ver nas árvores o testemunho real, de que o Outono, agora sim, está para durar e está, também, a acelerar. Basta ver o rápido acelerar do amarelecimento das folhagens do arvoredo, que compõe esta área.

Deixo as fotografias, em dia de chuva, onde o silêncio da Natureza é Rei!







Este amarelecimento das folhagens, é sinónimo de que as árvores se preparam para o Inverno, desacelerando o seu metabolismo, a pontos tais, de se desproverem de folhas. Nessa altura estarão adormecidas, em suposto estado de hibernação (apesar de não ser semelhante à hibernação dos mamíferos), de modo a aguentar os rigores da estação mais fria. Fenomenal, como na Natureza, nada falha. Não é? Nas fotografias acima e abaixo postadas, escolhidas propositadamente, podemos ver um Carvalho com as suas folhagens a amarelecer, os lindos Bordos, com as suas folhas já muito avermelhadas e o não menos fenomenal Freixo que está, em processo muito rápido, a perder as suas folhas. As árvores não mentem e no que toca a previsões de tempo e das estações do ano, são o melhor agente informativo, de que dispomos.



Com a chuva miudinha a cair-me na moleirinha (sabe tão bem), é com tempo chuvoso, com tempo Outonal, que se vê todo o esplendor que a Natureza nos tem para oferecer! Deixo a pergunta no ar, mas, alguém imagina a riqueza natural que ocorre e existe na Veiga, em Lanheses?


quinta-feira, 27 de outubro de 2011

O Vento...

O vento está como o tempo, abrutalhado, forte e destruidor! Continuo a ser daqueles que não subestimam, nunca, a fúria dos elementos e um deles o vento, que mais não é que deslocações de ar em massa, é sem sombra de dúvida um dos seus mais representativos. Ameno ou forte, o vento, não deixa ninguém indiferente. Porém, nestes dias tem mostrado a sua vertente mais forte, mais explosiva e achei engraçado, melhor aliás, interessante, filmar um pequeno vídeo, na frente do meu quintal onde este elemento natural mostra toda a sua pujança!

As forças da Natureza, a mostrar-nos, a nossa pequenez...


Desenganem-se aqueles que subestimam a Natureza, que tão depressa é cândida e bucólica, para logo de seguida se transformar em destruidora e avassaladora! Ela, anda zangadíssima connosco, Humanos, e, se um dia a batalharmos sairemos perdedores desse confronto, se a vencermos, o único caminho que antevejo, será o da extinção da vida na Terra, tal como a conhecemos! Ou seja, perdedores de novo! O ser humano deve de uma vez por todas colocar-se no seu devido lugar, naquele que é o quadro natural! Não acima, não abaixo, apenas e somente no seu devido lugar!

Como ruge o vento lá fora...ah Natureza brava e bela!

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Tranquem as portas...

Meus amigos, tranquem as portas e protejam os vossos haveres, o mau tempo assentou de novo arraiais por Lanheses, assim como um pouco por todo o país e ventos fortes acompanhados de muita chuva, vão rugir até à madrugada de amanhã, dia 27.

Está bom é para ficarmos por casa a ouvir um chill out (os que podem ficar) e degustar umas castanhinhas cozidas acompanhadas por um ou mais copitos de jeropiga...sempre aquece o coração e põe a circulação sanguínea mais alta!!! O corpo agradece e a mente relaxa...




Será que amanhã o"Olho" ainda estará assim, ou pior!?!


segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Depois da tempestade...

Após esta noite de tempo bravo e extremamente chuvoso, fui dar uma volta pelo rio e por Lanheses, para me certificar dos estragos que o forte vendaval que se abateu sobre nós, teria ou não provocado. Não vi assim nada digno de registo, umas quantas árvores com alguns galhos quebrados, muita folhagem depositada nas estradas e caminhos da nossa aldeia e nada mais a assinalar com excepção de dois pequenos pormenores.

A última das árvores no Parque Verde, um Carvalho, com galho partido. Vestígios do mau tempo desta noite!


O "Olho", de um dia para o outro encheu e já nem se vê, como se via, o fundo lamacento do leito onde correm as suas águas e no Parque Verde, o tão ansiado espelho de água existente e criado na nova área, frontal ao Palco do Milheiral, já está criado, com a abundância da chuva que caiu de noite...uma palavra só...belo! Ainda está, porque esta foi a primeira chuvada, um pouco mal composto, com alguma terra e ervas à mistura mas, tenho como certo, que umas chuvadas mais que por aqui se abatam como ontem e a área se tornará uma das mais belas aqui em Lanheses.

O Bosque de Linhares, uma das mais belas e mágicas áreas do rio e Parque Verde! Por baixo da pontelha em madeira a água do "Olho" já enche o leito do regato, que ainda no Sábado estava seco!




O espelho de água no Parque Verde! Excelente ideia que a Natureza se encarregará de bem executar!



Adorei a ideia de, juntamente e de mãos dadas com a Natureza, por vezes amena, por vezes caprichosa, como ontem, se conseguir proceder à criação de um lago artificial, tornando a atmosfera do local ainda mais mágica!


OCORRE-ME SÓ UMA PALAVRA...LINDO!


domingo, 23 de outubro de 2011

Chuva, chuva e mais chuva...

Para quem queria o Outono, ora bem, cá está ele! Estou, como é óbvio, em frente ao PC a ouvir lá fora a chuva que cai em abundância tocada a forte ventania e não resisti a publicá-lo no blog! Dada a inclemência dos elementos naturais, acho de todo justificável publicá-lo! Chove em catadupa, já dizia o povinho - a cântaros-. Sem fotografias sem nada, para documentar, pude verificar como a folhagem dos arvoredos em dois dias amareleceu e já cai, também, a ritmo acelerado.

É o Outono no seu esplendor e que veio para ficar! Já apanhei também, a primeira molha do ano, tendo ficado ensopado, quando fechava a porta do meu viveiro de periquitos e ao circular na estrada, fiquei deveras impressionado com os milhares de litros de água que se acumulam nas valetas, que ainda não estavam preparadas para receber uma chuvada monumental, como esta!

Oxalá esteja enganado, mas, amanhã as notícias falarão de certeza, nos já muitos estragos que estas primeiras chuvadas proporcionaram!

Nas ruas, nem viva alma e nestas ocasiões penso nos sem abrigo e nos milhares de animais abandonados que sofrem (ambos) com a inclemência deste temporal...e eu aqui no conforto do lar a brincar aos blogs...ouvindo lá fora a chuva a cair...

O tempo esse, está como esta Velha Europa que de Cimeira em Cimeira não resolve nem apresenta nada de nada, nenhuma solução palpável ou medidas efectivas que visem sairmos desta crise (Europeia e Global), apenas fortes vendavais e muita, muita, água...que vergonha!


E parece que vamos ter estas condições meteorológicas por vários dias...o Outono veio, então, para ficar! Diabos, como chove lá fora!!!!


sábado, 22 de outubro de 2011

BYE BYE SUN...AU REVOIR SOLEIL, ADEUS SOLINHO...

Tarde de Sábado, muito bem passada, como não poderia deixar de ser, tudo em sintonia...Lanheses e o rio, a J5, eu, na companhia da esposa, da cunhada, das bicicletas e de, claro está...quatro magníficos peludos em louca correria pelas belas margens deste lindo Lima, que é o nosso...

Não me vou alongar neste tópico, porque além do mais é fim de semana e a mente pede borga, pede divertimento, pede convívio...e vou pôr a alma a esvoaçar...numa noite de Sábado que se adivinha muito fresca! Apenas gostava de partilhar, com os meus amigos e por todos aqueles por quem nutro simpatia e amizade, uma imagem tirada ao final da tarde, quando já me encontrava só, na companhia dos meus dois peludos e no interior da J5, contemplando mais um fantástico e muito calmo, pôr-do-Sol!

Despeçam-se dele, porque amanhã chegarão as nuvens em força, para de uma vez por todas o Outono nos abraçar, com o seu manto frio e cinza...


As previsões meteorológicas para Lanheses, nos tempos próximos, não são nada famosas e dias de chuva abundante, parece, que vêm aí! Nada como deixar aqui retratado o Astro Rei, numa espécie de - até breve meu amigo - e que venhas depressa aquecer esta nossa triste vida!




Queiram fazer-me um favor, meus amigos...


Sejam felizes e desfrutem desta vida, porque vale bem a pena ser vivida, abracem quem realmente amam e lembrem-se sempre, é tão deliciosamente bom, estar vivo e ser feliz!


quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Carta de um pensionista ao Primeiro Ministro!

        Meadela, 20 de Outubro de 2011.

        Olá Pedro, bom dia.

       Deves estar a achar estranhíssimo quem seja este sujeito que por carta me vem tratar por tu, dirigindo-me a palavra? Tens razão! Não nos conhecemos, quer a nível pessoal, quer a outros níveis. A minha relação contigo, pura e simplesmente não existe. Nem o meu voto me mereceste! Aliás, não existia, iniciou-se agora, quando assumiste as funções de condutor dos destinos da Pátria. E que bela maneira de se iniciar algo como a grandeza que é presidir aos destinos do País! O meu nome é Leonel (como tantos outros neste país) e nasci no infeliz ano de 1947, deves estar a perguntar-te porquê infeliz, mais adiante te aperceberás porquê! Por ter nascido em 1947 te trato por tu, dado que nasceste uns bons anos depois de mim, em 1964, era eu um já um homem feito, pois diferentemente de agora, antigamente aos 17 anos um rapaz já não tinha direito a ser rapaz, a ser menino, ou adolescente, como nestes tempos modernos, sabendo já nessa altura e muito bem o que era a severidade da vida, ao contrário de ti, tendo-me feito homem, muito cedo. Olha Pedro, aos dez anos, sem nunca ter chumbado, terminei os estudos obrigatórios, que nessa altura eram a quarta classe, onde aprendíamos em quatro anos, aquilo que agora aprendem em doze, pelo menos! Passei quatro anos da minha vida a ir de socos para a escola e nem tinha direito a uma mochila para transportar as sebentas, era uma velha sacola de ganga de outro meu irmão e que passava de irmão para irmão. Eu era e ainda sou, o quarto de seis irmãos. Foram quatro anos a percorrer muitos quilómetros a pé diariamente, para aí uns dez, se a memória não me falha, casa-escola/escola-casa, ao frio, à geada, à chuva, ao Sol! Como os meus Pais eram muito pobres, analfabetos, vitimas de um regime opressista e abrutalhado, nem tiveram direito a estudos ou no mínimo a aprender a escrever o seu nome, o Dr. Salazar queria-nos a todos ignorantes, de modo a que não se pusesse em causa o regime, tive, após os estudos, como dizia, de ir trabalhar. E gostava de ter seguido os estudos...como gostava! Mas já nessa altura este Estado miserável, influenciava  a minha vida! Melhor, toda ela, influenciou! Tinha acabado a fase tormentosa (pensava eu) das idas para a escola, dos dias de frio e chuva, mas olha, digo-te uma coisa, como gostava de estudar, ainda hoje conheço todos os rios, serras, províncias, distritos, vilas e cidades deste nosso Portugal. Infelizmente tive de a deixar (escola) e começar a trabalhar muito novo e quando mais precisava de brincar, não o pude fazer! Não havia dinheiro! Tornei-me logo homem e desatei por caprichos da vida a trabalhar. Agora eram os quilómetros a fio por dia, de socos; ao mesmo frio, à mesma geada, à mesma chuva e ao mesmo Sol, que apanhara para a ida para a escola, só que agora, (não te esqueças) homem feito com 10 anos, passava tudo de novo, mas, para trabalhar! Achas bem Pedro? É claro que não! Depois de anos a fio a trabalhar sem nunca ter chegado a rico, nunca me pagaram para isso, mesmo assim ainda juntei alguns tostões, chegou a fase de olhar para as moças bonitas! Afinal já era um homem, nunca me deixaram ser menino! Apaixonei-me por uma cunhada do meu irmão mais velho. Era linda e voluptuosa e parece que foi amor à primeira vista! Os seus longos cabelos e redondas formas deixavam-me doido de desejo! Era para casar! Certamente! Logo me cortaram as pernas, novamente. Em Angola e em outros Países de África, como sabes Pedro, vivia-se um conflito e as futuras potências ultramarinas exigiam a independência às quais em resposta o Dr. Salazar declarou guerra. Lá fui eu para o mato, para um País que nem conhecia, apenas ouvi falar vagamente, no barco Vera Cruz, para combater em nome da Pátria, contra nem sei bem o quê? Mas fui. Cumpri com o meu dever e sobrevivi, quanto a mim pensando agora, o mais importante! Foram três anos de ultramar e todos os sonhos deitados por terra, uma vida adiada em honra e ao serviço da pátria! Do Estado! Sorte a minha, a que viria a ser minha mulher, se corresponder comigo por carta e me ter sido fiel, como foi até aos dias de hoje. Fiel, séria e respeitadora! Hoje em dia, certamente a teria perdido! Qualidades que não vejo em ti, mesmo não te desrespeitando! Mas, que não as vejo, não vejo! Tu Pedro, mentiste, eu nunca o fiz!
       Enfim, foram tempos difíceis e de medo, mas que passaram. O amor venceu e casei-me em 1972, tinhas tu Pedro, oito anitos. Um menino! Nunca fui um homem de muitos sorrisos, sempre muito calmo e sereno - sempre muito sério e muito introspectivo - diz o meu filho, porque sabe as dificuldades pelas quais passei e porque nunca tive nada. Se te disser que em pequeno nunca tive brinquedos, nunca tive um carrinho ou uma bola! Acreditas? E se te disser que toda a vida tive de trabalhar e que nunca me deixaram ser menino, acreditas também? Acreditas que só tinha um par de sapatos e eram para usar ao Domingo, dia de Missa, sempre cheios de pó! Onde morava, não haviam estradas, apenas caminhos de terra batida...Uma sardinha dava para seis, quando as havia e, se queria manteiga para pôr num trigo, ia ao estrugido que a minha Mãe fazia num pote de ferro negro e tirava de lá as cebolas, fazendo uma sandes de cebola! Que fome! Cuecas, eram de pano, feitas pela minha Mãe (quando vinha do campo, vida escrava) e à noite comia caldo de saramagos!  Não sabes o que são? São umas ervinhas que crescem junto ao caminho de nossa casa e nos campos vizinhos! Casa de banho não havia, banho esse, era tomado numa bacia, apenas existia a latrina em madeira onde depositávamos as nossas fezes, tudo no exterior de casa! Barbeava-me em frente a um pequeno espelhinho rachado...minúsculo! Acreditas que nunca fui a um cinema ou a uma discoteca e nem tão pouco andei de avião? Acredita que é verdade! Podes não acreditar, mas nunca comprei um carro, não tinha dinheiro para isso e nem tão pouco tenho carta de condução, apenas tive uma motorizada de fabrico nacional (Casal) que me custou 5000$, paga a pronto, com as custosas poupanças que sempre fiz e aos poucos consegui juntar! Para namorar a que viria a ser minha mulher vinha e ia de comboio! Fazia cento e muitos quilómetros e não raras vezes adormecia, cansado da vida e, só parava no Porto!Tive sempre uma vida extremamente séria! Nunca tive nada, a não ser obrigações! Vi o 25 de Abril chegar e com ele vibrei, tinhas tu dez aninhos! Como me decepcionei com ele! No mês de Setembro desse ano nascia também o meu primogénito e aí, fui verdadeiramente feliz! O pobre menino filho de analfabetos, "tocou a viola" e conseguiu levar a vida com sucesso, com muito custo, mas, com sucesso. Casei com a mulher que amava e ainda hoje amo e vi dois filhos crescerem. Dei-lhes a educação que mereceram e que melhor pude dar. Hoje em dia, feliz, vejo-os independentes, vivendo as suas vidas de jovens casados! Nem sei como conseguem, dada a calamidade em que se encontra o nosso País e a anarquia em que se encontra o Mundo! Agora, aos 64 anos, envelhecido pelos desgastes da vida, reformado, após mais de quarenta e dois anos de descontos (uma vida, quase a tua idade), mais o que foi por fora...quando tinha motivos para sorrir e desfrutar dos dias que me restam, junto da minha mulher, em sossego e paz, fico em estado de choque com o teu discurso, passado na TV, pedindo a minha compreensão para as dificuldades que teríamos de enfrentar! Não a terás, nunca! Fiquei atónito, com o que dizias, Pedro! Atónito e agora pergunto. Achas bem, Pedro, que depois de sempre ter cumprido com o Estado, este mesmo Estado que nunca cumpriu comigo e me defraudou variadíssimas vezes, me venha em dois anos roubar (este é o termo certo, roubar) quase 5000€ porque, vocês, classe política, levaram este País ao caos e à ruína? É a segunda vez que  vejo esses tipos do FMI aqui, a virem-nos ao bolso! Achas bem, que um veterano de guerra, como eu o sou, que serviu e combateu, pondo em risco a própria vida, pela pátria, lhe venha agora ser retirado este direito inalienável à sua reforma, ou a parte dela? Achas bem? Achas bem que o menino que nunca teve brinquedos e poucos motivos teve para sorrir, influência de um Estado, ora gordo, ora opressor, levando parte da vida a trabalhar arduamente, uma mesma vida, sofrida, venha agora por ti ser apunhalado pelas costas? Achas bem?
Eu não acho nada bem e sentado no conforto do meu lar (também o mereço) pelo qual feito um desgraçado trabalhei toda uma vida, venha agora a saber que um governo composto por rapazes, me venha delapidar monetáriamente cinco mil euros, porque o País está na bancarrota! Falando só nos cortes dos subsídios, faltam os outros que aí vêm! Ivas, IMI´S, Irs´s, etc, etc. Eu não fiz nada para que isso ocorresse e mais a mais, toda a minha vida trabalhei e descontei, para um Estado gordo e guloso e que nem agora com tanta adversidade, consegue emagrecer. E tu Pedro, que fazes para o Estado emagrecer? Tu que governas, que estudaste e sempre tiveste tudo? Nada, claro! É mais fácil ir sacanear dinheiro ao elo mais fraco, sendo por muitas vezes também, a face mais pobre! Achas bem? Já pensaste nisso? É claro que não, nunca foste usado e vigarizado e tão pouco sabes, como alguém já te disse e muito bem, o que é a vida!
       Sinto-me realmente revoltado e de novo, triste, (quando penso que tinha todos os motivos para sorrir) com um Estado que toda a vida fez de mim um joguete, servindo-se de mim a seu belo prazer! Um Estado que sacrificou a minha geração, que sempre fez de nós números de identidade e meros serventes! Somente devoção, obrigação e nunca divertimento!
       Percebes agora, Pedro, o porquê da expressão -infeliz ano de 1947 - no inicio desta minha carta? Toda a minha vida fui oprimido pelo Estado Português, sendo agora que envelheci, oprimido e delapidado do meu património que,  à custa de sangue, suor e lágrimas, construí ao longo dos anos!
       Não acho certo, nem tão pouco correcto e sirvo-me desta missiva para te mostrar todo o meu desagrado e decepção, para com a tua pessoa!
       Peço-te encarecidamente, que retrates esta tua decisão, achando que ainda vais a tempo, porque este dinheirinho que é meu e fiz por merecer, faz-me muita falta! Apesar de ser um reformado, um pensionista, não achas que tenho direito a um fim de vida digno? Se calhar não o achas mesmo e nem tão pouco o queres saber, mas lembra-te que como eu, estão alguns milhares de cidadãos em choque e apavorados com a tremenda injustiça, que lhes vais cometer! Cidadãos que combateram pela Pátria e que agora essa mesma injusta Pátria, lhes cospe na cara...

      Mesmo achando-me no direito de não o ser, manda a educação; que dois velhinhos analfabetos me deram, um deles, o meu Pai, ainda vivo com 105 anos de vida, (ainda mais sofrida que a minha), em ser cordial na despedida, por isso, aceita os cumprimentos revoltados e tristes de um cidadão nacional que teve uma vida pautada pelo sacrifício, motivada por negligência e influência de um Estado há muitos anos corrompido.


       Cordialmente

       Leonel



Nota breve - Esta carta "enviada", foi simulada por mim, face à tremenda injustiça que um Estado, gordo, calaceiro e corrompido, está a cometer a um veterano de guerra, a um Homem, que quase deu a vida no Ultramar (Angola) combatendo pelo país, durante o difícil período da Guerra Colonial Portuguesa!



Yann Tiersen

Quem por ventura não gosta de ouvir o som que sai de um piano bem tocado? Muito poucos! É certamente um dos instrumentos mais belos de se ouvir, obrigatório em música clássica e em qualquer orquestra e até em outras sonoridades, como a música minimalista, passando até pelo rock. Terei um dia de lhe dedicar, agendando aqui no blog, um post exaustivo, referente só a ele! Um dos compositores da nova geração, Yann Tiersen, Bretão (França), nascido em 1970 e um dos principais compositores da actualidade, é um dos meus favoritos e à poucos minutos atrás, ouvi na Televisão, da sala do lado, um dos seus mais famosos temas - Comptine d´un autre été, l´après midi - banda sonora do não menos sensacional filme - O fabuloso destino de Amélie.

Não resisti a postá-lo aqui no blog, até por achar engraçada a coincidência, de um programa na TV, presumo (já não me lembro qual), talvez uma daquelas vinte e muitas novelas fraquinhas que agora compõem as grelhas televisivas, passar um tema que me é tão querido. Para relaxar, naqueles momentos mais introspectivos pelos quais todos já passamos, é então do melhor que conheço.




Yann Tiersen - Comptine d´un autre Été, l´après midi -

Desfrutem. Muito bom!


quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Igreja de Lanheses.

Apesar da minha manifesta laicidade e falta de sentido de fé, não crendo em algo em que muito francamente, por variadíssimos motivos, sendo por ventura o principal, a razão cientifica e o outro, o cepticismo, um dos locais que em Lanheses mais me apraz frequentar e visitar regularmente, é precisamente o promontório da nossa aldeia onde está localizada a Igreja Paroquial, a Capela do Nosso Senhor do Cruzeiro e das Necessidades, juntamente com o edifício do Centro Paroquial e Social, secundados, quem olhando de frente para os atrás referidos, pela gigantesca estrutura da obra do novo Centro Social de Riba Lima.

Gosto de percorrer a área, fitar o granito do chão que contorna a estrutura e apreciar a singular beleza do conjunto arquitectónico, que se nos depara, frontal ao olhar.
Gosto de admirar a singularidade e imponência da Torre Sineira, qual farol que domina a paisagem, observar os Sinos, estáticos ou em movimento, lá nas alturas, consultar as horas no seu relógio e apreciar o fantástico trabalho em cantaria, quer da cúpula da referida torre, quer da fachada da também referida e não menos bela Capela.

Num destes dias de calor outonais que se fizeram sentir, embriagado pelas ideias, lá conduzi a J5 ao referido promontório e saquei umas quantas fotografias dos conjuntos.

E, apesar de nada me transmitir em termos espirituais (embora, possa por vezes, questionar-me sobre as matérias do espírito),  aprecio a beleza das formas e desfruto da calma e do silêncio, que fervilha no local.

É um local digno de ser registado neste blog. Quanto mais não seja por ser um dos importantes centros de decisão e condução de almas, aqui na nossa aldeia, que sinto e vejo, é, Terra de gente crente e extremamente praticante!





No interior daquelas paredes da Igreja me fiz Lanhesense, ao contrair matrimónio com uma cidadã, nascida e criada na terra! Entre as paredes do Cemitério me fiz Homem, ao enterrar entes, muito queridos, para mim!




Vários pormenores de elementos da Torre Sineira.


Um conjunto deveras harmonioso!



Mais pormenores do conjunto e da muito bem tratada Palmeira, que guarda o local em silêncio!






Sobranceira, sobre a paisagem, dominando esta, de mãos dadas com o novo Centro Social! Os idosos e crianças da nossa Terra bem o merecem! Quem sabe um dia, eu, se lá chegar daqui a uns muitos e longos anos (assim o espero), não serei um dos utentes de tão magistral e custosa empreitada?

Um local de culto e de fé mas que pode ser visitado a qualquer momento, por quem busca paz, ou até como eu, para simplesmente apreciar os seus predicados, que neste caso posso afirmar, são realmente muitos. Conheço variados mas, Lanheses tem um dos mais belos Adros Paroquiais, das cercanias! Crente, menos crente ou até nada crente, não importa, este é sem dúvida, um dos locais mais importantes e de maior relevo da vida da nossa freguesia!

Fica aqui registado para memória futura!


segunda-feira, 17 de outubro de 2011

O mais belo local na veiga...

O mais belo local na veiga (pelo menos para mim), onde contemplo a Natureza, entregue ao vento e à erva do solo, eu, os meus peludos, o meu cigarro enrolado e o arvoredo!

Aqui vêm amíude, as Garças, beber.



Bosque de Amieiros e Carvalhos, árvores autóctones! Lindo!




À distância e ao fundo, se vê aquele, que considero o mais belo local da veiga, onda as águas do "Olho", ainda algo límpidas, "semi" livres de lixo, formam um pequeno lago, rodeado por frondosa vegetação e arvoredos, tais como Carvalhos e Amieiros, e, onde as Garças, Gaios, Gralhas, Milhanos, demais passarada e outros animais, vêm matar a sede.



Um "refúgio secreto" que urge preservar!


domingo, 16 de outubro de 2011

CAN WE START AGAIN?

Não, não é mais um tópico de revolta e angústia pelo que se está a passar pela minha cabeça, pela minha pessoa! É um misto de ódio e repugnação, quando sinto e vejo aquilo que em redor de mim e por esse Planeta fora está a ocorrer, pelas injustiças e atrocidades que se estão a cometer, por tanta falta de respeito e inteligência por parte do ser humano, para com, o ser humano...que nojo...que asco...

NA ESCURIDÃO, SÓ EU E O MEU CIGARRO...

Confortavelmente sentado na minha poltrona, luz apagada, PC em frente a mim, curto um vídeo. Pausa, um cigarro enrolado, levo-o aos lábios, luz no isqueiro e, num ápice o fumo entra nos meus pulmões rodopia o meu rosto e acalma-me...justamente em sintonia com o tema que estou a ouvir..."CAN WE START AGAIN"...TINDERSTICKS...uma das bandas mais poéticas da actualidade, cujos temas têm o dom de me deixar relaxado e alheio às querelas retrógradas, próprias da minha raça...

Olhando o Mundo, não me canso em sonhar...como tudo poderia ser diferente...e ao mesmo tempo não o é! Temo bem que a nossa raça, não venha nunca a ser feliz, tendo todos os meios ao alcance para que essa seja uma verdade coesa...será que, PODEMOS COMEÇAR DE NOVO (tema da música em português)...




Um tema que fala da objectiva vontade de começar tudo de novo, de tudo mudar, mesmo que os Tindersticks aqui retratem uma relação física entre homem e mulher, mas, que podemos perfeitamente adaptar ao nosso triste quotidiano...vamos mudar!?!

Ahhhhh...chega...quero relaxar...envolto em fumo fecho os olhos e começo a sonhar que...poderíamos começar tudo de novo...e como tudo poderia ser tão belo...tão diferente!

O fumo dispersa-se pela escuridão da sala...assim como o sonho em alcançar a felicidade...resta-me relaxar!





UNITED for GLOBAL CHANGE.

Domingo 16 de Outubro, o Mundo mudou! O Mundo ontem mudou e não mais será o mesmo! E nem foram precisas bombas ou guerras fratricidas! Sábado dia 15 de Outubro marca essa mudança, alinhados em manifestações PACIFICAS, contra o que muitos dos burgueses que ocupam lugares de Governação, queriam; milhões de jovens e menos jovens de mãos dadas com os primeiros, em uníssono, mostraram a sua indignação contra os poderes instalados, contra a ditadura económico-global que se vive neste século XXI, contra o lascismo e serventia governativa face ao capital, que se apoderou de todos os países, contra a precariedade; exigindo sinceridade e acima de tudo, igualdade para todos e justiça.

Todos ousaram dizer, NÃO! NÃO AO GRANDE CAPITAL! NÃO ÀS INJUSTIÇAS! NÃO AOS MERCADOS BOLSISTAS E NÃO AO SERVILISMO ECONÓMICO que se vive a nível global!

O MUNDO NÃO MAIS SERÁ O MESMO E ESTA CORRENTE JÁ NÃO SE DETERÁ MAIS, MESMO QUE VENHA A SER SEVERAMENTE COMO VIRÁ A SER, FORTEMENTE CASTRADA PELOS GOVERNOS (LACAIOS DO CAPITAL) DOS VÁRIOS PAÍSES, ONDE AS PESSOAS NÃO SE SENTEM BEM, SE SENTEM VIGARIZADAS E SE SENTEM INDIGNADAS!

Temo que o adjectivo "Indignado" venha a ser uma das palavras mais importantes, do léxico mundial, para os próximos anos!

Um pouco por todo o planeta, a horas diferentes, claro está, mas, unidos pela mesma ideologia, pela mesma vontade, milhões de cidadãos anónimos se manifestaram pacificamente contra a globalização e contra a ditadura do grande capital. Ficarão para sempre conhecidos como os indignados, unidos na mesma diapasão, United for Global Change, Unidos por uma Mudança Global!

À semelhança de Nova Iorque, Paris, Londres, Madrid, Santiago do Chile, Tóquio, Atenas, Sidney, Roma (onde a violência atingiu níveis preocupantes); em Lisboa, Porto e outras cidades Portuguesas, os jovens e não jovens manifestaram-se contra o que dizem ser a sua falta de confiança no futuro, num futuro que nada lhes trás, apenas incertezas, escravidão e desemprego! NÃO! BASTA!

Agora que todos sabemos ao que este governito veio, os cidadãos nacionais manifestaram-se contra o radicalismo das medidas enunciadas, contra a vendeta que os governantes operam face ao capital (basta ver que na reunião do conselho de ministros onde se discutia o futuro Orçamento de Estado, um tal de Salgado entrou para discutir sabe-se lá o quê) e contra aquilo que todos consideramos vir a ser, o afundar rotundo de um país no abismo.

NÃO QUEREMOS ISTO! QUEREMOS IGUALDADE E FRATERNIDADE! QUEREMOS RESPEITO PELO IDEAIS DE ABRIL! QUEREMOS TRABALHO REMUNERADO, QUEREMOS TER PERSPECTIVAS DE FUTURO E QUEREMOS UM PORTUGAL MAIS JUSTO E MELHOR!


Os mais variados sectores da nossa sociedade se mostram indignados com o que está a acontecer neste país e posso afirmar que há muito não via uma entrevista televisiva, tão chocante, como a que deu um alto prelado português, D. Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas e Segurança, que em tom alarmista nos mostra a decadência a que, como a nível mundial, um governo irá pôr um país! Ao que a sociedade chegou!


CHEGA DE GANÂNCIA! BASTA! NÃO!

Sinto-me feliz por saber e me aperceber que de hoje em diante, o Mundo não será mais o mesmo! O mundo mudou e muitos 25 de Abril se virão a registar. Portugal não fez excepção! Afinal os Portugueses também sabem mostrar a sua indignação! E ao contrário daquilo que uma reputda ensaísta publicou num Jornal diário da nossa praça, este movimento, cara senhora, tem toda a legitimidade para avançar, pois, contrariando aquilo que a senhora diz, a grande maioria como mostrou, (não uma minoria), está indignada e não se sente representada por uma democracia, que de democracia já não tem nada...tendo dado lugar a uma ditadura, a ditadura do capital. A nível mundial, ninguém quer isto, ou terá que admitir, que mesmo não se manifestando, todos, ou a grande maioria dos cidadãos, sente-se precisamente...INDIGNADA!

Os jovens, esses; com coragem e à custa dos muitos sacrifícios que virão, porque os governos quando confrontados com a vontade de mudança, sempre tiveram e terão acções e actuações criminosas, bárbaras e terroristas; conseguirão levar a água ao seu moinho. Eu serei mais um deles e sem vergonha digo, sinto-me indignado e por isso também marcarei presença nas manifestações!

NÃO, AO GRANDE CAPITAL, À FOME, AO DESEMPREGO! QUEREMOS JUSTIÇA E IGUALDADE. QUEREMOS UM FUTURO E TRABALHO JUSTOS! QUEREMOS GOVERNOS RESPONSÁVEIS E INTELIGENTES, NÃO OS ACOBARDADOS DO COSTUME QUE BAIXAM AS CALÇAS E MOSTRAM O RABO A QUEM ACENA COM EUROS OU COM DÓLARES, OU COM OUTRA PORCARIA QUALQUER!

O United for Global Change veio para ficar e já se sente o nervosismo dos mercados, no ar...



sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Trepadeiras. Tema revisitado.

No principio do mês, aqui no blog, foquei um tema relacionado com as trepadeiras. Belas ou autênticos assassinos naturais? Pois é, não sei se motivado por isso (nem vou cair nessa preguiçosa presunção) ou se por pura coincidência, alguém, tal como eu já fiz variadas vezes, andou a cortar as trepadeiras que vêm asfixiando o arvoredo que ocorre na zona do Parque Verde. E muito bem! Diga-se. Muitos dos exemplares que lá ocorrem encontram-se em adiantado estado de decrepitude, precisamente porque acoplados a eles estão os asfixiantes e grossos ramos das citadas anteriormente, o que mais cedo ou mais tarde ocasionará na morte da árvore.  

Uma delas, pude verificar à momentos, está já tombada no chão, um vetusto Salgueiro, coincidência ou não, pela trepadeira ter sido decepada. É preciso ter cuidado com o corte das trepadeiras em árvores, pois, estas quando cortadas perdem a sua força e deslaçam considerávelmente, sendo muitas das vezes só a base de sustentação do moribundo exemplar! Se foi derrubada ou partiu pelo tronco naturalmente, espero que ninguém, que estivesse pelas cercanias se tenha magoado e agora se tomem as devidas providências para retirar o infeliz espécime, do local.

Fotografias de pormenor dos cortes efectuados.

Este era um dos exemplares mais atacados e como se pode ver pelo tronco, ainda transpira saúde, agora ainda mais com o auxílio que lhe foi prestado! Muito bem!

Muitos destes Amieiros ainda estão em perfeito estado de conservação e são indivíduos saudáveis!

Eis o exemplar que tombou, vergado pelo tempo e pela acção das trepadeiras. Terminou-se com o seu sofrimento!


Mais uma inequívoca manifestação de cuidado e do zelo que as pessoas e gentes de uma aldeia, devem demonstrar para com o seu património Natural. Mostra-nos, esta atitude, muita inteligência e por isso, retiro publicamente aqui o meu chapéu! Bem hajam. Parabéns!


Pormenor de um tronco ainda saudável!



Agora deixo aqui um aparte, neste local, quem segue em direcção ao "Olho", vindo do rio e junto à estrada, uma área de para aí uns 20 metros está já despovoada de arvoredo, o que em termos paisagísticos definha em muito a beleza da Avenida Rio Lima. Não será oportuno plantar ali duas árvores, de modo a compor o espaço? Se aceitarem a sugestão e o quiserem fazer, tentem plantar ULMEIROS (NEGRILHOS), essa árvore tão nossa, tão autóctone, assim como os Carvalhos, Amieiros, Castanheiros e que nestes tempos modernos urge salvar da gradual extinção pela qual está a passar, sendo raríssimo o visualizar hoje em dia de uma árvore deste género!

Ali, acentava que nem uma luva!

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

OE 2012. O pequeno País que de repente ficou em choque...

E de repente à hora do jantar, quando, salvaguardando as variadas excepções, os Portugueses estarão na sua maioria a jantar; em comunicado, o Primeiro Ministro, conseguiu deixar um País inteiro em estado de choque!

Ainda ontem postava um artigo relacionado com este tema, e realçava a mediocricidade deste orçamento, para hoje estar neste momento, atónito! Como é possível?

Que violência e que roubos descarados!

Uma nova Grécia se afigura no horizonte trágico das economias Europeias...desta feita a Portuguesa! Que já não andava muito bem, para passar agora, a pior!

Já contava com muitas das medidas anunciadas (este Passos Coelho a mim não enganou com as suas falácias e desfaçatez) e espero para um futuro próximo, algumas mais, ainda piores que estas! Vêm aí tempos agitados e de contestação, certamente que virão! Agora tenho de me preocupar em trabalhar mais meia horita diária de graça, porque um Governo que não me representa a isso me vai obrigar...os sacrifícios são para todos, não é? Obrigadinho aqueles "Tugas" bestiais (+ - 34% deles) que puseram esta maralha no poleiro...mais os (+-12%) que gostam do homenzinho das feiras, obrigadinho mesmo!

Nesta fotografia, ainda cabem mais dois ou três ex-Primeiro Mininstros mas, ainda não encontrei foto a condizer!
Se tiver de  sair à rua e contestar, certamente o farei; por mim, pela minha esposa, por quem gosto e honestamente ganha a vida, pelos meus irmãos trabalhadores, camaradas portugueses, que sem culpa alguma do que está a acontecer é que vão pagar a pesada factura, pelos pensionistas, pelas crianças deste País. Não lutarei pelos 34% que puseram um Coelho a Governar um País, preferia um Boi, pelo menos poderíamos tentar apanhá-lo pelos cornos...o Coelho esse, salta muito e a sua velocidade em fuga é vertiginosa!

MEDIDAS CONCRETAS PARA ESTIMULAR A ECONOMIA? ZERO! EU NÃO DIZIA ONTEM? Tomem lá!


Lanheses! Álbum de recordações.

Algumas fotografias tiradas por mim, na nossa aldeia, reunidas num vídeo acompanhadas pelo som do tema musical que mais me comove! 

Ficam, para memória futura!

Can one day change your life...Tom Geiger.

Lanheses, aldeia bela e verde, que levo no meu coração!

OE 2012. Primeira análise, ainda muito a frio...

O Governo vigente, já lançou as primeiras luzes daquilo que será o Orçamento de Estado para o próximo ano de 2012. Muito à cautela, tem vindo a ser enunciado um sem fim de dificuldades, pelas quais vamos passar; quer pelo Primeiro Ministro, quer pelos variados membros do Governo, quer até, pelo Presidente da República. O mais difícil de fazer executar...consta-se!

Agora entendo a profecia Maia, para o famigerado Ano de 2012. O tão temido fim do mundo! Os antigos Maias, que tinham fama de inteligentes, mesmo sem o serem muito (justifico esta afirmação com os inúmeros actos bárbaros cometidos em inocentes seres humanos por parte deste povo sanguinário e por vezes bastante bárbaro e inculto, mesmo considerando os seus inovadores sistemas de construção e outros, vide História das Civilizações); conseguiram adivinhar, não o fim do mundo, estávamos todos equivocados mas que em 2012, um pequeno País do grande continente que é a Europa, se iria afundar e desaparecer em insolvência, para sempre! Pode o restante Planeta ficar descansado, pois, o fim do mundo será só para nós, "Tugas" e Gregos! Os irresponsáveis do eixo Sul da Europa!

Brincadeiras à parte, como cidadão curioso e interessado nestas matérias da (des)Governação Nacional, tive oportunidade de analisar um esboço das linhas mestras que comporão o documento e posso traduzir tudo numa só palavra...estão preparados...???...cá vai...CATACLISMO!

Analisando o que é proposto e transpondo para a realidade Lanhesense, estou em condições de afirmar, que a nossa aldeia vai ser uma grande vitima de um orçamento mau, aliás péssimo, que não alicerça meios de criação de riqueza e fomento económicos, apenas (vou falar portuguêsmente) vende tudo ao desbarato e o que importa é, cortar na despesa!

Como se nós, Portugueses, tivéssemos culpa da desgovernação que reina neste País, há já 37 anos! Caramba, é muito tempo!

Voltando à realidade Lanhesense, posso afirmar que sentirá de sobre maneira este orçamento, por diversos motivos. Enumero só alguns dos que me parecem mais passíveis de nos criar dificuldades. Em primeiro, a privatização dos CTT, caros amigos e conterrâneos, com os privados a gerir, digam lá adeus em definitivo à nossa muito útil e estimada agência, ou então preparem-se para pagar um preço demasiadamente alto por um serviço a roçar o imprescindível. Em segundo e sabendo que Lanheses vive também, muito há custa da restauração (cafés, bares e restaurantes), facto perfeitamente plausível e normal, com o aumento do IVA para 23% (restauração, a hotelaria fica nas mesmas taxas o lobby hoteleiro conseguiu o que queria), como sobreviverá a nossa camada empresarial que vive desta actividade? Eu por exemplo, deixarei de os frequentar, pelo menos com tanta assiduidade! Em terceiro, a nível empresarial, não consigo descortinar qualquer tipo de incentivo ao fomento económico do nosso tecido empresarial e este documento, vem dar muita importância às empresas que exportam (eu sei, eu sei, temos para equilibrar a balança económica, de exportar e não importar, eu sei), deixando todas as outras como uma espécie de parentes pobres, das primeiras. Inconcebível acontecer, ainda por cima num País cuja economia e riquezas produzidas, assenta maioritariamente na riqueza produzida pelas pequenas e médias empresas. Para estas, incentivos? Nada! Zero! (Talvez a redução na TSU). Para as outras até se fala num estranhíssimo cheque à exportação...ou seja lá o que isto significa...importa é facilitar e criar condições a mais exportações!!! Não condeno, pelo contrário, mas, e os outros? Em quarto e de modo a não alongar-me, pois ainda estamos a falar de uma análise a um hipotético documento (mas que será mais ou menos nestes termos) o fatal atentado cataclista aos direitos e regalias dos trabalhadores e pensionistas nacionais! Em  Lanheses, pelo que posso ver diariamente somos mais os trabalhadores e pensionistas do que os empregadores! Como fluirá a economia local (para nem citar a nacional) quando o nosso poder de compra se vai afundar como há muito não se via? Querem que compremos produto nacional! Como, se o nosso dinheirinho em impostos vai todo para Lisboa, aliás, para os EUA, onde está sediado o FMI!

Mas há mais!

Corta-se drasticamente em tudo! Participações do Estado na EDP (iva sobre a electricidade sobe para os 23%), GALP, PT; tudo a ser vendido. Aliás, engraçado focar aqui no blog o gigante EDP, por causa da barragem do Tua, o Governo já assinou o documento que autoriza o abate de cerca de 4000 árvores (QUATRO MIL), para que os trabalhos da citada, possam continuar! Sirva-se a EDP! Mais um elefante branco! RTP também vai, TAP e ANA igualmente, para nem falar na impensável privatização da Águas de Portugal, veja-se o exemplo de Barcelos, cujo ex autarca e maior accionista da empresa de águas municipal, pratica o mais alto preço a nível nacional, pela venda de um bem essencial á vida...siga...Ministério da Cultura já nem existe (salve-se o pagamento dominical da entrada nos Museus, esta sim, uma medida que vai salvar o País da bancarrotice a que o conduziram, estou, claro está, a ser sarcástico)...querem é investimento internacional e como dizia aqui há dias o sociólogo que muito estimo e considero um dos mais inteligentes cérebros da vida nacional, António Barreto, passando a citar -  Estamos a cair no risco de aqui a cem anos, Portugal como País independente, não existir!

Dá que pensar, não dá?

Bom, para já, o documento físico e visível, não está oficializado, mas, algumas ideias já se podem tirar daquilo que será o nosso futuro...Lanheses e os seus habitantes vão sofrer certamente as agruras de um orçamento injusto e medíocre, se calhar, na mesma proporção daqueles que estão na sua génese e acreditem, não fomos nós os cidadãos anónimos, cumpridores dos seus deveres e obrigações!

Apetece-me também através deste meu muito modesto e quase invisível blog (pelo menos para ele), responder ao dito pelo Sr. Presidente da República, quando afirmou no feriado de dia 5 deste mês, em que todos fomos para a praia e ninguém o ouviu, ou quase ninguém, que os tempos de ilusões e de vivência acima das nossas possibilidades terminaram: caro senhor, nós nunca vivemos de ilusões e acima das nossas posses e se isso realmente aconteceu, foi, para que alguns enriquecessem gananciosamente, por erro e manipulação a isso fomos levados. Já os senhores, toda a vida viveram acima das vossas possibilidades, conduzindo o Estado (todos nós) à ilusão e agora arrastam-nos a nós, cidadãos anónimos e inocentes, Estado, para o abismo, pagando uma factura aquém das nossas parcas possibilidades!

Paguem-na vocês, também!

Na minha óptica e oxalá esteja enganadíssimo, comparando com a que vem aí, a grande depressão dos anos 30, foi uma brincadeirinha de meninos de rua jogando a berlindes...e claro, Portugal, não passará incólume a esse fenómeno!

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Ecovia. Actualização 4.

Está definitivamente concluída a obra da Ponte que faz a ligação, entre as duas margens do regato da Silvareira, que desagua no rio Lima, servente à Ecovia. O pavimento em chapa de aço, grelhada, já está colocado no local e podem os Lanhesenses de agora em diante, dirigir-se de bicicleta (por exemplo, ou a pé) a Ponte de Lima.

Vista da margem Lanhesense.


Por baixo correm, as águas do regato da Silvareira.

Vê-se o fundo pedregoso!

Vista da margem  Fontanense.

Com esta inovação e dada a empreitada como concluída, faltem ou não, alguns acabamentos necessários, vêem-se agora, os Lanhesenses, com mais uma infraestrutura de apoio ao lazer e à pratica desportiva, que só vem dignificar e aumentar ainda mais a qualidade de vida na nossa aldeia.

Em tempos de crise profunda (de valores e não só), empreitadas como esta são um oásis no vazio que é viver num País, como o nosso, falido de valores e de economia!

Agora, é só dar "corda" às sapatilhas e a pé ou de bicicleta, só não pratica desporto com qualidade em Lanheses, quem entenda, não o querer fazer!

Nunca é Tarde.

Descobri nas minhas andanças virtuais, mais um site muito bom; sobre viagens, sobre afectividade, sobre amor, sobre a relação possível entre um pai reformado e um filho aventureiro, sobre África e até sobre mecânica.

É verdade!

No site "Nunca é tarde", são-nos relatadas as peripécias que, um pai, engenheiro reformado e um filho aventureiro, na companhia de um amigo, se dispuseram passar ao volante de uma garbosa e não menos fidelíssima e mítica, Renault 4L, pelo magnífico Continente Africano, numa viagem estimada para ter duração de oito meses.

Carlos Carneiro (pai), Carlos Carneiro (filho), numa conversa Domingueira, daquelas que todos os Pais e Filhos costumam ter após a barriga estar cheia de repasto (incluo-me neste rol), decidiram acometer-se ao desafio do Carlos mais velho (70 anos), em correr África abordo de uma velhinha mas sempre fiável, Renault 4L.

Resultado. As suas vivências e experiências têm sido relatadas e documentadas no site "Nunca é Tarde", sobre o qual deixo o link em baixo, caso queiram e acho eu, devam, consultar. É um relato magnífico de uma aventura vivida a dois, Pai e Filho, que nos pode fazer pensar na cumplicidade que entre ambos surge, quando se deparam com inúmeras adversidades! Um bom manual, na minha óptica, para relacionamentos entre Pais e Filhos e o companheirismo, que devemos motivar e praticar com os nossos progenitores.


Escrito numa linguagem simples, informal e por vezes até, caricata, (embora muito correcta) e apresentado sobre a forma de um grafismo muito simples mas, ao mesmo tempo, muito bem elaborado, o site, é muito aprazível de ser seguido.

São crónicas de viagens, de experiências a dois, de conivências entre Pai e Filho. Excelente!  Estão, estes aventureiros neste momento, a atravessar o Gabão...o resto? É só clicar e consultar o site...

domingo, 9 de outubro de 2011

Que delícia!

Que delícia em pleno mês de Outubro, com temperaturas convidativas ao passeio e até a dar um mergulhinho no rio Lima (hoje a água estava realmente fria, já se nota o Outono) e apanhar também uns banhos de Sol; que delícia, como dizia; é ver o Parque Verde, repleto de famílias que passavam o tempo livre em amenas cavaqueiras, jogos diversos, exercício físico e a piquenicar. É realmente muito salutar ver que os Lanhesenses continuam massivamente a utilizar este espaço de lazer, criado com muito esforço e muita dedicação, para que toda a população Lanhesense e forasteiros também, dele desfrutem!



Hoje ao final da tarde, enquanto passeava os meus peludos por aquela área, no passeio diário, pude testemunhar a alegria e divertimento com que as muitas famílias espalhadas pela mesma, usufruíam do local.

Uma aposta mais que ganha pela Edilidade Lanhesense, que apostou nesta área muito do seu esforço e dedicação, para que Lanheses e os Lanhesenses tivessem um Parque destinado a actividades de lazer. De mãos dadas com a Ecovia, toda esta área, se revela da maior importância e um dos destinos mais procurados em Lanheses, para a prática de desporto e actividades relacionadas com a ocupação de tempos livres. A titulo de exemplo posso afirmar a admiração e satisfação, que um casal familiar de forasteiros a convite meu por alturas da Festa no Milheiral, demonstraram para com o estado em que Lanheses e a zona envolvente do rio Lima, se encontram. Segundo as suas palavras - Lanheses tem junto ao rio um Parque fantástico, lindo, que diferente que está Lanheses! Uma categoria! Com muita qualidade! - Como eles, muitos outros pensarão assim, de certeza.


Congratulo-me em ver, de mãos dadas com a Natureza, como o ser humano se diverte! Muito bom mesmo!

Para relaxar e pensarmos na vida...

Para relaxar e pensarmos na vida, num Domingo soalheiro de Outubro, convidando o clima até a uns quantos banhos de Sol; deixo um tema já com alguns anitos, é certo (1994), mas, sempre actual. Sacred Spirit - Yeha Noha (em linguagem nativa americana), em Português, Espírito Sagrado - Votos de felicidade e prosperidade. Sacred Spirit, é um projecto musical composto por três músicos, que se insere nos ambientes jazz, blues, new age, world, ambiente e house. Venderam já, mais de 15 milhões de cópias em todo o mundo e por cada cópia vendida, um donativo é direccionado para a organização sem fins lucrativos "Native American Rights Fund" (Fundo de Apoio aos Direitos do Nativos Americanos), que trabalha em prol da restituição dos plenos direitos dos Índios Americanos. Uma, mais que nobre causa, dada a atrocidade com que estes Povos indígenas, foram tratados aquando da conquista do que hoje é, o território Norte Americano, pelos novos colonos europeus (o tal Homem Branco), incluem-se nele os EUA e Canadá.




Aqui em Lanheses, aconselho todos quantos apreciem este tipo de música e consultem este blogue, a ouvir o citado tema, junto ao rio Lima, ou a passear pela veiga e certamente se aperceberão, que a natureza e beleza do local ainda lhes parecerá, mais belo! É um dos temas ideais (a meu ver) para a contemplação da Natureza e pensarmos na nossa vida e até o que somos e qual o nosso lugar, a nossa função, neste universo e neste nosso Planeta, que é a Terra. Eu faço-o muito frequentemente e confirmo, a alma, acompanhada por estes sons, rejuvenesce a cada minuto que passa da música.

Yeha Noha, Votos de felicidade e prosperidade...


sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Um rio só para mim...

Dezanove horas e treze minutos, fim de tarde ventoso na veiga!

Começando o dia bem cedinho, desiludo-me a ler as notícias de quatro jornais (só desgraças, catástrofes e tristezas), à tarde na feira, insuportável a gritaria da maralha que sai da escola e espera o autocarro para de novo os levar a casa, de volta ao reino das proibições, (salve-se a agradável conversa com casal Lanhesense que muito prezo e bem sabem conversar); a maralha continua a gritaria frenética que iniciou e dali fujo, fujo em direcção ao rio, em direcção a Sul.

Um vento forte de quadrante noroeste varre a margem do rio, em Lanheses! Não se vê viva alma; só eu, o vento (muito vento), os meus peludos, as ervas, as urzes, as árvores e tão pouco, qualquer sombra de algum animal que passe de fronte ao meu olhar. 

Tenho um rio só para mim...

Caminhando pela veiga, cantarolando "Born Free" de Matt Monro (como no vídeo postado em baixo por isso aconselho a que ponham o vídeo a tocar e ao mesmo tempo a ler estas linhas); corpo abanado fortemente pela brisa que também espanta o pó do caminho em remoinhos sem fim, que abana incessantemente as folhagens e ramos das árvores, olhando em redor sinto-me só, mas, sinto-me bem...reconfortado...ao olhar os campos e não ver ninguém, ao esquecer a minha humanidade e todas as tristes condicionantes a ela adjacentes, ver somente a erva inclinada pelo movimento do vendaval outonal, que por estas paragens se abateu, e, sabendo que mesmo acabado de se pôr, o Sol, esse amanhã, acordará de novo para todos nós. Entretanto, vou gozando a calma do momento, abro os braços e sinto o vento, nas faces, no corpo e esqueço tudo! Aprecio o taciturno caminho que se mostra em frente a mim regado pela falta de luz solar e com felicidade depreendo que ninguém me aparecerá em contra mão, o estado do tempo isso impede e sozinho, perdido em pensamentos e divagações, chego a sentir-me o Rei deste lugar, fantástico, lindo, sereno e belo!

Agacho-me junto ao "meu" Carvalho (sim, já o considero meu, qual é o mal) falo com ele todos os dias, por baixo dele, sentado, na erva fina e ainda verde, fumo um cigarro e fito o arvoredo junto ao "Olho" na esperança de visualizar mais um Milhano, um Gaio ou uma Gralha perdidos entre a ramagem dos Amieiros e dos Carvalhos que ali moram...nada...somente o vendaval, eu e o fumo do meu cigarro...


continuo a ter um rio, só para mim...


E de súbito, olho por mim abaixo, calças amarelas à palhaço (vindas do Nepal, esse paraíso na Ásia), casaco azul de malha grosseira, chinelo de meter o dedo, que ridículo...que bem? Não sei, não o sei dizer, apenas sei que sou eu...sou assim...e assim gosto de mim, da minha maneira aparvalhada (se calhar inocente) de fitar a veiga, o rio, a Natureza, onde me sinto bem, aconchegado, qual cobertor estirado em leito de palha fresca e fundamentalmente, gosto, da minha maneira de ser sincera, quando fito estes campos vazios de gente! Sou o que sou e aqui esqueço quem sou, para deleite dos meus olhos e do meu pensar, dos meus sentidos e do meu sonhar!

Continuo a ter um rio só para mim...

Agora, os meus peludos, deitam-se ao meu lado e juntos, os três, contemplamos castelos na areia, dragões que nos vêm visitar, fadas que nos vêm encantar, cavaleiros nos seus corceis que nos vêm salvar...de quê...de nada...da erva, das árvores, da veiga...???? Ahhhhh...desses...não tenho receio, esses não temo...esses são os amigos de todos os dias, com quem converso e partilho as minhas mágoas...reina o silêncio e a maralha, a esta hora, já está em casa de certeza!

Fico com o rio só para mim... 




PS - É de facto fenomenal passear na veiga (por vezes só), ao final da tarde, sem luz solar e absorver a fantástica acalmia com que a Natureza nos brinda! Aconselho...EXPERIMENTEM o CREPÚSCULO e deixem a imaginação trabalhar, enquanto o fazem...