Páginas

segunda-feira, 30 de abril de 2012

1º dia Internacional da Música Jazz!

A UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Ciência, a Educação e Cultura) decidiu que se comemorasse no dia de hoje e pela primeira vez, ou seja, um inédito, o Dia Internacional da Música Jazz!!!

O Jazz como estilo musical para mim é tudo, é um estado de espírito que se apropria do meu corpo quando estou só, é uma melancolia melancólica quando me sinto triste e só, é um escape para escapar, é um vício que vicia, é ópio nas minhas veias que me deixa o cérebro solto, é uma cama, um leito confortável embrulhado em lençóis de cetim, é uma mulher nua pronta a ser pintada numa tela, é um confusão confusa que confunde uma mente confundida...o jazz para mim é um modo de estar na vida...o verdadeiro modo de expressar algo sem palavras, somente através do som; o Jazz é um trompete, é um saxo, é um contrabaixo, uma guitarra, uma bateria, um piano...o Jazz é a verdadeira música e para mim é tudo...como me sinto feliz por saber que a este género musical, de uma vez por todas se lhe fez justiça e se lhe dedicou um dia! Herbie Hancok um dos grandes nomes do jazz mundial contemporâneo e actualmente embaixador da UNESCO para a música, foi um dos grandes impulsionadores para que esta efeméride se viesse a comemorar pela primeira vez e (espero), venha a perdurar pelos séculos e séculos!

O Jazz é um género musical de inspiração afro-americana! Sim, nasceu no EUA no inicio do passado Século XX, na célebre e fantástica New Orleans (Nova Orleães), no seio das comunidades negras! Quem mais poderia ser o criador de tão fenomenal género artístico senão o Homem negro(!) sempre muito mais à frente que o Homem branco em quase, quase, todas as matérias culturais e desportivas; descendentes dos escravos que eram trazidos para as Américas vindos de África para servirem numa espécie de vida (se é que se pode chamar a isso vida) povoada de provações, sofrimento e de dor! Portanto seguindo esta corrente o Jazz não é mais do que tão e somente sentimento! Género musical que mistura e absorve géneros dispares como os blues, o swing e a improvisação, aliás, esta última, uma das suas mais marcantes características, que num todo conjugado chegam ao resultado, Jazz!

Impressionante como um género musical que tem a sua génese na tão bárbara ESCRAVATURA, se afirme mais que nunca, hoje, como força que promove uma transformação social positiva! O Jazz não afasta, apenas une as pessoas, para num estado de espírito baseado no equilíbrio e na contemplação promover o amor e a harmonia! Mais uma lição que nos deixaram as gerações negras do inicio do Século XX!!! Como é possível que seres que foram de tal forma massacrados e chacinados durante décadas, ainda tenham tempo para o...amor...!!! Vem daí a minha mais profunda admiração pelas culturas afro-americanas, pela cultura negra! Racista eu? Não! Eu sou daqueles que com orgulho, caso a vida tivesse seguido outro rumo, teria contraído matrimónio (com todo o prazer) com uma mulher negra, contando que a amasse e fisicamente a desejasse também...o Jazz é isto mesmo...desejo, sensualidade!!! De racista não tenho nada, antes pelo contrário!

Neste dia e neste post poderia postar uma bela imagem, ou um típico vídeo com som jazz daqueles que muito poucos gostam de ouvir (gostos não se discutem); prefiro, no entanto, postar uma versão mais cool, mais leve de um tema que toda a minha vida adorei desde o momento em que o ouvi pela primeira vez e ainda hoje o repito vezes sem fim no leitor de DVD, sempre que me disponho a ouvir algo de diferente. Deixo no blogue "Love Theme" interpretado por Paradise, onde o trompete, esse instrumento tão conotado com o jazz, é Rei! Esta música serviu de banda sonora a um filme que marcou há vinte anos atrás, gerações de pessoas, tal como a mim, pelo erotismo latente (o trompete é um instrumento muito conotado com o erotismo) no filme Orquídea Selvagem (Wild Orchid - com Mickey Rourke e Carré Otis)! Quem não viu? E quem não gostou? Zalman King, realizador, no seu melhor!

Jazz, mais leve, para todos vós! Cerrem os olhos no escurinho de uma sala e sonhem...sonhem bem alto, porque o Jazz é isso mesmo...um sonho...ao som deste sensual e magistral TROMPETE!



Miles Davis, John Coltrane, Louis Armstrong, Chick Corea, Herbie Hancok, Ray Charles, Diana Krall, Elvis Costello, os portuguesíssimos Maria João e Mário Laginha, etc, etc, etc, todos grandes nomes do Jazz, hoje em dia à distância de um simples clique, onde na WEB, abundam vídeos com interpretações jazzísticas magistrais, da parte destes grandes mestres do JAZZ!



Obrigado UNESCO...grande gesto, este! A brilhante cultura afro-americana e Nova Orleães, há muito o mereciam!






domingo, 29 de abril de 2012

Dia 29 de Abril, dia da Freguesia, dia de Lanheses.

Ocorreu hoje na sala da biblioteca nas instalações da Junta-de-Freguesia a sessão solene comemorativa do dia da Freguesia com o lançamento do livro "Lanheses - a preto e branco", uma forma singela de homenagear todos os anónimos lanhesenses que muito contribuíram com as suas vidas para o que, esta aldeia muito orgulhosamente, hoje é!


A sessão iniciou-se com o discurso introdutório do Presidente da Junta, Professor Ezequiel Vale, ao qual sucederam em apresentação do livro, Dr. Benjamim na apresentação do mesmo e da Drª Maria José, vereadora do pelouro da cultura da CMVC, tecendo considerações sobre a iniciativa e evento.






Pelo meio houve direito a um momento muito bonito, onde algumas mulheres lanhesenses, entoaram com viva e bela voz, as belezas da nossa freguesia... e houve também direito a discurso por quem achasse por bem fazê-lo, nomeadamente por parte daqueles que abrilhantaram este livro com a sua participação!






 
Lotação esgotada! Assistência numerosa e muito atenta a todos os discursos proferidos! 










 
No final, após grandiosa salva de palmas pela iniciativa houve lugar a um verde-branco de honra!


 
Do livro, o que dizer? Já o li na integra e posso afirmar que é no mínimo delicioso! De muito fácil leitura e fenomenalmente ilustrado com fotografias do passado lanhesense, fotografias de toda uma comunidade que com muito afinco e muita dedicação, tem feito de Lanheses a aldeia próspera que tem conseguido ser, todos estes anos passados, assim como tem muito bem acompanhado estes tempos modernos, com imensa sabedoria e enorme participação cívica! Os textos e poemas que o compõe são da autoria de alguns lanhesenses convidados a nele participarem e destacam vários aspectos culturais da nossa comunidade assim como físicos da nossa aldeia, parcialmente falando (e perdoem-me o desabafo), comovi-me extremamente com o texto escrito pelo Sr. Armando Tinoco (Vianinha) retratando o retratista...soberbo! 

Como diz o livro, a história não acaba aqui! E todos continuaremos, com as nossas acções e actos quotidianos, para que o mesmo se transforme numa narrativa aberta e mais livros venham no futuro a surgir!

Parabéns ao executivo lanhesense pela original iniciativa que uma vez mais vem trazer a todos nós, a cultura e história, que são uma das grandes marcas de qualquer comunidade que se queira afirmar como tal!


VIVA LANHESES, VIVAM OS LANHESENSES!


Cumulonimbus sobre Lanheses.

Uma das mais belas imagens com que a Natureza nos pode brindar, mesmo que seja um pré-anúncio de chuva, é a visualização de um magnífico Cumulonimbus recortado pelos raios de Sol que moldando as suas formas e realçando todos os seus contornos circulares, nos mostram um tipo de nuvem que mais parece um floco gigante de algodão-doce pairando sobre o ar!

Enquanto tomava o café matinal, fumava o primeiro cigarrito do dia (hand made-feito manualmente) e me expunha preguiçosamente como os lagartos, ao Sol de Abril, na varanda de trás de minha casa, esta visão particular do céu lanhesense prendeu-me a atenção e claro, tive de registar em fotografia, mais este momento...

Como é bom acordar com o bulício da aldeia...






Impressões publicadas em blogue de um tão doce acordar...






O que significa ser Nobre, nos dias de hoje?

Li com extrema atenção alguns comentários anónimos que foram publicados no blogue "vizinho" "DoLethes" onde se ressuscita o tema da "Nobreza". Presumo que os mesmo anónimos tenham-se servido desta antiga classe social, extinta, para atacar um pouco mais a laboriosa tarefa que o executivo da Junta-de-Freguesia tem vindo a realizar na aldeia desde que o povo o pôs democraticamente aos comandos dos destinos da mesma, renovando os votos para um segundo mandato e  a meu ver até, muito bem!

De qualquer modo, como democrata que sou, laico e republicano, apraz-me saber que em democracia, em verdadeira democracia, as classes sociais são extintas, sendo uma delas a Nobreza. Democraticamente falando, à nascença e durante toda uma vida, seja ela curta ou longa, todos somos iguais, todos temos os mesmos direitos os mesmos deveres perante a sociedade onde estamos inseridos e esta verdade inalienável e intrínseca à natureza humana, só se conquistou, quando se extinguiram as monarquias, pelo menos as mais absolutistas e as ditaduras, mas não é de ditaduras sobre o que quero escrever. As modernas monarquias só mantêm o título nobiliárquico e o anti-democrático direito sucessório, tendo as classes sociais que gravitavam à sua volta, sido extintas e mesmo as Casas-Reais têm de se sujeitar e viver com o que os Governos Democráticos lhes legam em Orçamento de Estado. Verbas, normalmente e altamente, abusivas...diga-se!

Para analisar a Nobreza como classe social, temos de voltar muitos séculos atrás no tempo e perceber que a racionalidade de pensamento por parte do ser humano não atingia os patamares e níveis dos dias de hoje. Por isso havia tamanha discriminação! E era-se nobre porquê? Somente porque um ser que era Rei, se por bem o achasse, nomeava qualquer um como nobre, desde que, lhe tivesse prestado valiosíssimo serviço a si ou à nação, contra isto (do serviço à nação) nada, ou por nascimento! Mas e os outros todos, onde ficavam inseridos, não tinham direitos? Nas outras classes sociais, o clero e o povo, mais tarde também, na Burguesia! E, não tinham direitos não! Haverá maior discriminação que esta? Haverá certamente muitas, nos dias de hoje, aliás, hoje em dia temos três classes sociais, vou-lhes chamar as classes sociais dos tempos modernos, os ricos, a classe média e os pobres, três, tal e qual como antigamente! Uma incomodativa semelhança aos tempos de antigamente mas com uma diferença providencial, a todos (ou quase) lhes é dado o direito de conquistarem esse alto lugar na sociedade, desde que tudo corra dentro da normalidade e se paute por esta marca! Não pretendo entrar em muitas divagações sobre a forma como alcançar um alto patamar social nestes tempos modernos, mesmo sabendo que poderia seguir essa complicada linha de pensamento...

Um ser humano hoje em dia pode nascer pobre, mas com o fruto do seu trabalho, com o fruto do seu suor, pode alcançar um destacado lugar na sociedade, antigamente, nos tempos da verdadeira nobreza, isso era algo de inatingível! Nascia-se nobre e morria-se nobre; nascia-se do povo e morria-se no povo; com as excepções à regra de serviços prestados à Casa-Real ou algum bravo e histórico feito, que permitiriam a um qualquer "pé-rapado", subir o patamar social.

Os ventos foram mudando, as políticas e mentalidades também e em boa hora as monarquias, sistemas plenamente anti-democráticos, caíram por terra, umas atrás das outras, quando a filosofia começou a pensar e a raciocinar porque raio é que por uma natureza de título, alguém poderia ser mais que outro, ser detentor de tamanha e descomunal riqueza enquanto "ali ao lado" se passava mingua e muita miséria? Claro que mais cedo ou mais tarde estes sistemas quebrariam e com eles toda uma discriminante teoria social, por arresto a Nobreza, também ou, principalmente! Em boa hora...

Não vou criticar massivamente aqui a nobreza, porque acho que temos de reconhecer que muitos e valorosos nobres, fizeram de Portugal e construíram o país que hoje é: soberano, independente e desenvolvido e isso lhes devemos agradecer; critico no entanto todos aqueles que toda a vida gravitaram em torno dos Reis e do seu poderio financeiro, autênticas sanguessugas do erário nacional! Critico, quando alguém se fica muito agradecido à nobreza e afirma que ela muito deu ao povo! Deu muito com uma mão, mas tirou outro tanto ou mais com a outra...e isso jamais entenderei e desculparei numa classe que se pautava e sempre pautou pelo despotismo...

E o que significa ser nobre nos dias de hoje? Nada, se nos referirmos ao termo histórico! Exceptuando a virtude de carácter, ser nobre hoje já não significa ser o que se era há séculos atrás! Hoje em dia a nobreza está reflectida na pureza e virtude de carácter, na valorização e grandiosísmo de actos, obras e pensamentos, conquista alcançada com a vinda da democracia que permite ao mais comum dos cidadãos transformar-se num nobre ser! Hoje em dia o nobre de antigamente é um cidadão anónimo, como qualquer outro, que se tiver comportamentos desviantes e que não respeite a virtude de carácter será julgado e punido de acordo com as leis vigentes! Antigamente isto era impensável, caberia ao Rei decidir...Nobreza e Estado de Direito, são palavras antagónicas!

Se calhar por tudo isto aqui analisado, entendo alguns dos comentários mais perniciosos que alguns anónimos proferiram contra a nobreza, eu também não alinho em falsas bajulações, nem muito menos bajulo alguém e percebo até a razão desses ataques, foram muitos séculos de pressão, de violência física, verbal e intelectual sobre o povo que nunca teve nada, por parte das elites de então, a dita nobreza e que deixou uma indelével marca para sempre sobre as pessoas mais comuns; a marca do despotismo, a profunda marca da pobreza extrema e com ela sem o saber, conduziu-se (a Nobreza) à sua própria extinção!

Em Lanheses, um episódio ficará para sempre marcado na minha memória, mesmo que não o tenha presenciado consigo imaginá-lo; foi-me contado por alguém do povinho, da plebe (não interessa quem); que muitas vezes às cinco da madrugada já estava a pé para todo o dia trabalhar no duro (Sol-a-Sol) no amanho das terras de um qualquer Senhor aqui da freguesia e quando a fome apertava com o suor a escorrer pelo rosto, ao olhar umas suculentas e deliciosas maçãs que pendiam nas macieiras, jamais se atreveria a colher uma ou a fazê-lo, pois um dos elementos dessa "nobre família" logo romperia irritado, propriedade abaixo, caso o visse, até à sua beira para proibir a degustação do mesmo fruto...e muitos frutos apodreciam no chão sem que ninguém lhes tocasse ou o ousasse fazer...passava-se muita fome!

Este relato fica como definição ilustrada de Nobreza...acontecia, em Lanheses, não há muito tempo atrás!!!


Muitos, sabê-lo-ão melhor que eu...









sexta-feira, 27 de abril de 2012

As revoltas águas do Lima!

As águas do Lima estão revoltas
acossadas pelo forte vento,
e eu aqui e em pensamento
gelado, admirando, as suas voltas.

As barcas são bem abanadas
mais parecem ramagem, ao vento, em flor,
que a chuva e as nuvens mudam de cor,
e pelas águas bramindo, abalroadas.

Sozinho em pé sentindo o vento
me delicio com a natureza,
só eu e o meu pensamento.

Pura, bravia, de tanta beleza,
que me confunde o sentimento
e o vento molda esta tristeza...


 







Junto à margem do Lima em dia tempestuoso!


(do autor Sérgio Moreira)





quinta-feira, 26 de abril de 2012

O que se pode encontrar caminhando...

Engraçado o que se pode encontrar caminhando! De Fuji em punho, caminhando pelo caminho da veiga, na esperança de encontrar algum animal interessante para ser fotografado ou outro qualquer pormenor, por vezes encontro aquilo que não desejo (mesmo) encontrar. Escancaradamente aos meus olhos, lá estavam esquecidos em pleno chão do caminho, apetrechos que não deveriam estar!  


 


Creolina, sempre muito útil ao meio ambiental...


Ou...até um chinelo...não vá alguém necessitar, ou será que se esqueceram do pé?



Impressionante, como certos artigos são esquecidos com tanta facilidade em sítios onde não o devem ser...Um "must" para o olhar...





quarta-feira, 25 de abril de 2012

25 de Abril - 38 anos depois...

Trinta e oito anos depois, tal como os antigos Capitães de Abril hoje e solidário com estes, o SSVSA não entrará em grandes euforias nem longos textos ou tão pouco perdido em muitas considerações! O estado em que este país está, não permite grandes devaneios, nem tão pouco grandes comemorações...

Fica o vídeo para que não se esqueça uma das mais importantes efemérides que se comemoram em Portugal...senão a mais importante de todas! Onde um dia o povo ousou dizer...-Basta, queremos liberdade!







ONTEM, HOJE e SEMPRE!!!




P.S. - No blogue, se deixa um voto de pesar pela morte de um homem que sempre defendeu os ideais de esquerda e toda a vida se pautou pela extrema frontalidade, na defesa das causas em que acreditava, Miguel Portas. Foi-se o corpo mas, fica a sua obra imensa, quer a nível político, jornalístico, quer como escritor; num extraordinário legado que nos deixou!



terça-feira, 24 de abril de 2012

Pairam nuvens sobre Lanheses...

Pairam nuvens sobre Lanheses há já alguns dias, transformando o colorido da paisagem para tons mais frios, mais escurecidos, pela falta de luminosidade que vem do Sol, quando exposto sem mácula e sem os "flocos de algodão" gigantes que pairam nos céus tapando-lhe a vista e os dias se tornam, como os que vivemos, chuvosos!

Pela primeira vez no blogue destaco numa fotografia o "Paço de Lanheses", captado do lugar de Lamas; um tema que pretendo em breve desenvolver aqui neste espaço, quer pela importância histórico-cultural, quer pela extrema influência que os seus proprietários e descendentes (facto documentado), sempre exerceram sobre este povoado!

Um legado histórico da mais alta importância!


O histórico "Paço" e seus terrenos cultivados.



Pairam as nuvens sobre Lanheses.

Em cada volta que se dê, em cada esquina observada, em cada cantinho analisado, esta aldeia tem sempre algo para nos mostrar, tem sempre algum segredo que ao de leve deixa desvendar!

A neblina revela muitas vezes, formas, que a extrema luminosidade do Sol por vezes não deixa antever...pode parecer um contra-senso, mas, se o analisarmos bem, chegaremos à conclusão que é de todo verdadeiro!







domingo, 22 de abril de 2012

Tertúlia!

Na magnífica sala da biblioteca, da Junta de Freguesia de Lanheses, decorreu num ambiente extraordinariamente informal, este Sábado à noite, aquela que foi uma das primeiras tertúlias a realizar em Lanheses, inserido num ciclo de tertúlias que a Junta de Freguesia calendarizou para este ano! A tertúlia é uma reunião de amigos que se reúnem de forma mais ou menos regular para discutir variados temas e variadas matérias, acompanhadas ou não por comida, bebida e café! Longe vão os tempos em que nos cafés se discutiam, em animadas e fumarentas tertúlias, a vida e política deste país! Posso referir como alguns dos mais famosos tertúlianos deste Portugal, nomes de variados escritores tais como; Eça, Bocage, Camilo, Antero de Quental, entre muitos outros!


Foi o que aconteceu ontem em Lanheses!

Dispersos por algumas mesas, postas para o efeito, os convivas, ou tertúlianos (como queiram chamar) conviveram entre si, acompanhados à mesa por bom vinho branco e tinto, assim como com variados petiscos, ouvindo canto lírico, entoado por uma jovem de voz maravilhosa acompanhada por um magistral executar de piano por parte de um excelente pianista; ambos quadros técnicos da Escola de Música Amadeus (Ana Ferreira, voz e Paulo Pinto ao piano), abrangendo um universo musical que pairou sobre temas de música portuguesa assim como alguns temas mais jazzísticos! 

Nos intervalos musicais aproveitaram-se as deixas, para que depois dos brindes entre os tertúlianos com vinho branco e tinto, fossem lidos alguns textos escritos por alguns ilustres lanhesenses e que farão parte do livro que a Junta de Freguesia pretenderá publicar, aquando da comemoração do Dia da Freguesia, 29 próximo, alusivos a Lanheses e todas as suas temáticas envolventes. Quanto a isto não vou entrar aqui, em mais pormenores.

Foram momentos muito bonitos, os de leitura (assim como os outros), onde se aproveitou e muito bem, para também se lerem textos de poesia, obrigatória de figurar, quanto a mim, em qualquer tertúlia que se preze e onde se aproveitou para homenagear todos aqueles que já partiram, mas que com o seu labor muito fizeram para que Lanheses progredisse, continuando apostada e bem, a acompanhar o desenvolvimento dos tempos modernos!











Foi servido jantar a condizer, regado com o já mais que falado vinho e no final, foi tempo de aconchegar o estômago com um leque muito variado de saborosas sobremesas. De referir que tudo foi preparado com a boa vontade dos funcionários da Junta de Freguesia, que com felicidade aderiram gratuitamente a esta iniciativa e muito bem mostraram todo o seu empenho! A eles - Parabéns!

Na minha opinião, para ser a primeira tertúlia, correu muito bem, apesar de alguns tertúlianos ainda se mostrarem um pouco inibidos, mas, com o tempo e o traquejo necessário a estas actividades, certamente tenho por certo que no futuro se desinibirão, para participarem de corpo e alma nestes convívios, sempre muito salutares!

Excelente iniciativa esta por parte da Junta de Freguesia de Lanheses, que uma vez mais se vem mostrar na vanguarda intelectual e cultural da aldeia.  




Fabuloso património que se pode ver exposto nesta sala!

Não seria de todo justo da minha parte sem que terminasse fazendo uma referência à sala onde os tertúlianos conviveram, a Sala da Biblioteca; ricamente ornamentada com fotografias (algumas delas autênticos quadros com muitas décadas) alusivas à vida desta comunidade, que é a comunidade lanhesense!


Os meus mais sinceros parabéns ao executivo da Junta de Freguesia por mais uma brilhante iniciativa!


Mal posso esperar pela próxima tertúlia...




Dia da Terra.

Pugnemos para que neste dia se continuem a respeitar, preservar e a promover, as boas condutas ambientais e ecológicas na mais que importante salvaguarda deste planeta que habitamos!


Neste dia, em que se comemora o planeta Terra e a sua extraordinária biodiversidade, lanço o repto de, pelo menos hoje, tomarmos todos, uma atitude mais amiga do ambiente, desligando aquela luz que não faz falta nenhuma estar ligada, ou separando somente hoje o lixo, ou até, plantando uma árvore...uma flor...se milhões de pessoas tomarem esta iniciativa neste dia, com certeza estaremos a pugnar para a causa ambiental, nem que seja por um dia só!

Com esta atitude estaremos a preservar o que de mais precioso temos, a Terra!



sábado, 21 de abril de 2012

Teu...

Ajoelhado sinto o teu corpo e nele desenho um abraço!
Entre sedas, vem beber comigo, vem beber de mim,
vem saciar a sede, vem...e põe-lhe um fim.
Entre dores e tristezas, o amor risca um fino traço!

Abraçados...a baloiçar, fiquemos então assim,
tristes, chorando, amando-nos loucamente
uivos, gritos, ferozmente
de dois corpos que se amam assim...

Vem molhar os meus lábios roxos
faz-lhes retornar a côr carmim,
pois perdido em beijos frouxos...

Absorves-me com o teu odor a jasmim!
Agora, neste leito provo-te eu,
provando-me sempre e eternamente...teu...

do autor Sérgio Moreira





sexta-feira, 20 de abril de 2012

Sugestão de leitura- Drácula, de Bram Stoker.

O nome parece estranho e certamente o é! Este tópico falará de algo que nada dirá a muita gente, mas a mim preenche-me o espírito e a imaginação e sempre me cativou muitíssimo! Desde os meus tempos de adolescente curioso que despontava para a vida, para os livros, para os filmes e toda uma panóplia de matérias que tocam bem lá no fundo, no intimo, na fase em que os primeiros pelos da barba começam a crescer no rosto e as hormonas começam a mostrar uma estranha volúpia!

Bram Stoker foi um conhecido escritor irlandês e entre dezenas de livros escritos e publicados escreveu o famosíssimo - Drácula. Foi buscar inspiração à antiga Roménia e à Cordilheira dos Cárpatos onde outrora há já muitos séculos viveu o não menos famoso Conde Drácula, de seu nome verdadeiro Vlad Dracul (o empalador) ou Vlad Tepes (Vlad o empalador).

Abraham "Bram" Stoker.

Mas porque raio se falam no blogue de vampiros e coisas demoníacas? Bem, perfazem hoje precisamente cem anos, que se comemora a data da morte deste fascinante escritor, a 20 de Abril de 1912, que só não foi ampla e devidamente divulgada na época, porque o Mundo estava horrorizado com a tragédia do Titanic, ocorrida dias antes e que foi um dos impulsionadores da criação do mito da figura do vampiro com a sua obra escrita. Para que conste: - Não sou muito dado a histórias e historietas de vampiros, demónios, seres de outro mundo, almas penadas, etc., etc..


Mas esta tocou-me lá no fundo, há muitos anos atrás...

Stoker baseou-se no personagem real de Vlad Dracul, um príncipe romeno da Transilvânia, região europeia que faz parte da actual Roménia, para ficcionar e escrever uma das mais lindas e românticas histórias de amor que tive oportunidade de ler e ver em filme, aquando da adaptação ao cinema pela visão fantástica de Francis Ford Coppola no filme com o mesmo nome - Bram Stoker´s Dracula, 1992 - composto por um elenco de luxo destacando-se como Conde Drácula, o não menos fantástico actor Gary Oldman. Tudo isto mexeu com o meu imaginário desde a fabulosa história até ao visionar do filme e tornei-me um fã incondicional deste Conde misterioso, elegante, fascinante, embora ao mesmo tempo, demoníaco, mas que agia como agia movido tão e simplesmente pela busca incessante do amor da sua amada, perdida quatro séculos antes, quando após ter sido enganada por inimigos se atirou ao rio "Arges", pensando que o seu amado (Vlad Dracul) tinha sucumbido nas mãos dos turcos, que combatia nas Cruzadas! O seu amor é tão forte e intemporal que parte em busca da encarnação da sua amada "Elisabeta", reencarnada agora numa jovem inglesa, Mina!

Drácula, o amor nunca morre!

O resto, bem...o resto é só ler o livro e depois de lê-lo, ver o filme pois, é um daqueles grandes filmes que merecem marcar presença em qualquer videoteca caseira. Stoker, nunca viu os seus livros adaptados ao cinema! Passados dez anos da sua morte em 1922, a primeira adaptação ocorreu, com o não menos famoso "Nosferatu", filme mudo e a preto e branco.

Numa altura em que a tónica dos vampiros está mais em voga do que nunca a nível mundial, sendo através de novas séries televisivas, novos filmes, novos livros e sequelas, sinto-me na obrigação de homenagear o seu verdadeiro autor, Stoker, e deixar como sugestão de leitura para este mês de Abril, o seu livro - Drácula,  a meu ver uma das mais bonitas histórias de amor redigidas nestes tempos modernos! Tal como se apregoava no filme - o amor nunca morre! Fascinante como através de contos bastante mórbidos se consegue escrever uma história de amor e Drácula não é violência, Drácula é paixão, é desejo, é luxúria, é pecado, Drácula é amor...

Vlad e Mina - interpretação magistral de Gary Oldman.

Uma nota final para a fenomenal banda sonora do filme, composta por um compositor polaco, com um nome quase impronunciável; Wojciech Kilar, nosso contemporâneo e um dos mais ilustres da Polónia. Tema - "Love remembered" (Amor lembrado).

Love remembered.


Só um génio escreveria uma história tão fabulosa e por isso conquistou um bem muito além da própria morte, através da sua escrita conquistou a imortalidade...

Fica aqui, no blogue, homenageado Bram Stoker! É caso para se dizer soturnamente  - Blood is life...basta ver o filme!





quinta-feira, 19 de abril de 2012

Momentos banhados a chuva.

Duas fotografias tiradas junto à ponte sobre o rio Lima, banhadas por uma chuva de Abril que vai caindo continuamente, fazendo esquecer o tempo seco que se fez sentir nos passados meses de Janeiro e Fevereiro.

Para quem sente saudades da terra e para todos os outros, aqui está uma boa oportunidade para rever o rio Lima, a ponte e os caminhos da veiga, num "set" de fotografias captadas hoje, abordo da J5, durante as minhas deambulações pelas zonas da veiga e do rio.


O Lima e a sua ponte.


A ponte guardada por um séquito de malmequeres.


Mau tempo instalado sobre a  aldeia!


Montes, serras, rios, veiga, vales; Lanheses bafejada pela Natureza tem de tudo!



quarta-feira, 18 de abril de 2012

Antero de Quental.

Não fiquei indiferente, hoje, ao ligar o PC e ver que o Google (que é o motor de busca por mim definido) dedica um Doodle, um daqueles grafismos animados ou não, a um dos nossos maiores poetas, precisamente cento e setenta anos após a data do seu nascimento; Antero de Quental.

Sou um grande apreciador da poesia deste Açoriano, nascido e morto (suicídio) em Ponta Delgada, assim como de toda a sua obra, quer poética, quer em prosa, quer mesmo a nível político porque este foi um homem multifacetado, muito na vanguarda dos tempos em que viveu (notória a oposição aos ideais "retrógrados" defendidos por António Feliciano de Castilho com quem se incompatibilizou) um grande amante das liberdades do intelecto, das questões da natureza e partidário da doutrina socialista;  partidarismo que o levou a ser um dos fundadores do Partido Socialista. Conotado com a Geração de 70 (séc. XIX) sendo um dos seus mais ilustres representantes, juntamente com Eça de Queirós, Ramalho Ortigão, entre outros grandes vultos da nossa literatura deixou-nos um dos maiores legados de poesia que a literatura portuguesa jamais teve. Muitos estudiosos e académicos equiparam-no a Camões e a Bocage, tal a perfeição dos seus sonetos e é precisamente por causa da poesia escrita em sonetos (rima clássica de quatorze versos), que tanto o admiro e por vezes, invejo até. Esta é a forma que mais prazer me dá em escrever e tal o devo, muito acerca daquilo que li escrito por Antero. Ele escrevia maioritariamente sob a forma de soneto italiano ou petrarquiano, ou seja, duas estrofes compostas por quatro versos (quartetos) seguidas por outras duas compostas por três versos (tercetos), usando muito raramente as outras formas escritas de soneto, o inglês ou shakespeariano (três quartetos e um dístico) e o monostrófico (estrofe única de quatorze versos).

Fica a referência aqui no blogue a um dos nossos mais ilustres poetas, que o distúrbio bipolar fez com que partisse mais cedo que o devido, mas que se tornou imortal com a sua escrita poética e toda uma vida dedicada a grandes causas e ideais de liberdade e fraternidade. Só um aparte...-se fosse vivo Antero e, visse o seu país e o mundo ao que chegaram, escreveria com certeza, alguns dos mais violentos sonetos que a nossa mente possa imaginar...

Em jeito de sugestão de leitura, para quem não conhece, recomendo as obras - Odes Modernas (1865) e Sonetos Completos (1886).


A Antero.

Se me dissessem - homenageia Antero.
Prontamente escreveria em soneto
uma estrofe, uma quadra, um terceto
rima que prezo e sempre escrever, quero.

Com um soneto ilustro Quental
um soneto que será italiano,
tal qual escrevia este Açoriano
que a Liberdade cantou em Portugal.

Dos Açores a Vila do Conde
Rimando, correu este país
para muito novo, morrer onde?

Numa ilha afortunada!
Naquele sitio que sempre quis,
na sua, para sempre, Ponta Delgada!


do autor Sérgio Moreira





Agenda Cultural 2012 - Lanheses.

É sempre com muito agrado que recebo na minha caixa do correio, a Agenda Cultural com a calendarização dos mais variados eventos e actividades que preenchem a vertente cultural da nossa aldeia. Mais feliz fico, por ver que alguns dos excelentes números (actividades) que vão preencher culturalmente os próximos meses, à semelhança de outros anos se vão repetir e, alguns novos, vão surgir.
Prova de que a cultura em Lanheses está bem e recomenda-se e de que, as entidades competentes, continuam apostadas em dinamizar e fomentar a área cultural lanhesense e os seus mais variados aspectos culturais.

Para os eventuais interessados, deixo as imagens do folheto que recebi por correio normal e digitalizei (espero que a Junta de Freguesia mo perdoe); dando especial referência para a magnífica fotografia de ilustração, mostrando o Largo Capitão Gaspar de Castro há tempos muito idos! Nostálgico e no mínimo fenomenal! Quem se lembrará da "Feira" assim!?!







Uma vez mais vem assim o executivo que compõe a Junta de Freguesia, mostrar que não anda adormecido, antes pelo contrário, continua apostado (como é seu costume e bem ) no fomento e dinamismo quer da vertente física (vê-se obra feita em Lanheses), quer da vertente cultural da aldeia. Este dinamismo, é de uma preciosidade ímpar!


Lanheses (certamente) e o SSVSA agradecem, reconhecidos! Bem hajam!



terça-feira, 17 de abril de 2012

Chuvinha primaveril.

Cai uma chuvinha primaveril em Lanheses, aliada ao tempo fresco que se faz sentir e que eventualmente poderá fazer esquecer que estamos na Primavera! O ditado é muito velho e costuma dizer algo do género, se a memória não me falha... - Em Abril, águas mil!


Modo manual FINEPIX S2500HD - ISO 64 - f5.2


Uma perspectiva chuvosa do alto da Sr.ª do Minho, captada da veiga em Lanheses, com a Fuji.
Modo manual FINEPIX S2500HD - ISO 100 - f11.2 - zoom 18x



Modo manual - FINEPIX S2500HD - ISO 100 - f 5.4


É caso para dizermos que depois do Inverno extremamente seco que tivemos, estas chuvas que têm caído em Abril, são ouro para a terra que de tão seca que estava, mais parecia pó!


As tonalidades da paisagem mudaram para tons bem mais frios!






segunda-feira, 16 de abril de 2012

Uma estúpidez Real ou uma Real estúpidez???

Não tenho nada a ver com Espanha, nem tão pouco com espanhóis (se calhar por motivos particulares e bem analisada a questão, até tenho, mas, adiante); fiquei no entanto boquiaberto com a notícia vinda a público que o desgraçadinho do Rei de Espanha partiu a anca numa caçada no Botswana aos Elefantes. Coitadinho de El Rei de Espanha, voltou a partir a anca que lhe atormenta a vida há já alguns anos.

Não tenho nada a ver com isto como português nem tão pouco me deveria preocupar com esta Real tretice, que não passa mesmo disso, uma treta, mas, analisando a questão como deve ser analisada e pensando um pouco, até tem muito a ver com a nossa vida. Estando o Reino de Espanha no estado em que está com uma dívida pública astronómica, a maior taxa de desemprego da UE e debaixo do fogo cruzado dos mercados; com o possível contágio ao nosso frágil e teso país, que muito depende dos nossos vizinhos com quem tem relações comerciais priveligiadas, aí sim, já temos alguma coisa a ver com isto. É no mínimo abjecto que este senhor tenha o desplante de em África, se divertir a matar animais de uma espécie protegida dilapidando ao mesmo tempo o já dilapidado erário público espanhol! Um indivíduo que sempre teve grande devoção por armas, cujo irmão morreu quando conjuntamente com este, limpavam uma arma e esta disparou (nunca se tendo apurado realmente a verdade, vá-se lá saber o que aconteceu) e até o neto mais velho (que já mostra grande apetência por armas) estoirou estes dias passados um pé; devia nestes tempos dificílimos, ponderar as suas atitudes e refrear os seus gostos privados, pelo menos nestes tempos de crise medonha...

Muitos, a nível mundial, não têm neste momento sequer o que pôr na mesa para darem de comer aos filhos e anda este pavão a caçar espécies animais protegidas em cruéis, assassinos e impiedosos safaris, proporcionados por agências fraudulentas que os vendem (os safaris) a uma média de 50.000€...!!! Que Real estúpidez ou uma estúpidez Real...???
Pergunto-me, numa época em que todos ou quase todos se riem do (quase extinto) Comunismo e de outra doutrinas políticas, por vezes erradamente apelidadas de ditatoriais; como será possível ninguém questionar as Monarquias que restam (este poder é despota/ditatorial), imunes como de costume, a esta e a todas as outras crises...só pelo simples facto do direito sucessório??? Em África para além de elefantes e outros animais trucidados a nível diário, morrem crianças todos os dias...(com mil diabos!!!) e estas supostas elites que se julgam acima de tudo e de todos, não são colocadas na ordem!!!!

Qual crise, qual caraças! Eles, o povinho, que a paguem que eu vou à caça grossa! Os espanhóis nestas matérias não costumam ser tão brandos como nós portugueses e aguardo o solene desfecho deste tristemente Real caso...não fosse a porcaria da Real anca andar manca de todo e nunca saberíamos as alarvidades que este pavão anda por aí a cometer, ainda por cima, com a responsabilidade de ser chefe de estado, de um estado que está em bancarrota...
Aguardemos que "nuestros hermanos" saiam bem da crise e que esta não contagie Portugal, não me apetecia nada ver o Presidente Cavaco (que gosta de imitar as supostas elites) a partir uma anca numa hipotética caça à baleia, ou outro animal de uma qualquer outra espécie protegida!
Pelos mesmos motivos em 1910 D. Carlos, o tal que adorava caçar caça grossa e a quem nada faltava em tempos que o povinho nada tinha e fome passava, com o país na infindável "bancarrotice"; levou um belo de um balázio na Praça do Comércio e com isso se deu o fim da Monarquia em Portugal...as armas matam caro Juan...as armas matam...olhe o exemplo português!

Dios mio...Nunca pensei que a minha pessoa pudesse vir a ter uma ambígua relação com monarcas, armas e elefantes! Eu que até sou da ralé! 

Não posto a ridícula fotografia do pavoneante monarca posando com uma arma em punho mais uma jovem roliça, por sinal até bem feiosa, em frente a um infeliz exemplar de elefante abatido, porque acho que o mesmo não é digno de figurar nas fotografias que engordam a percentagem de imagens que posso postar aqui no blogue gratuítamente...Imagino o pavor do animal quando estava a ser caçado por um grupo de parvos! Imaginem o sofrimento, o stress que é...

Em África ainda há muitos elefantes...!!!!!!





Tempo de voltar ao trabalho...

É tempo de voltar ao trabalho e afastado um pouco do retrato fotográfico que tenho vindo a fazer da nossa aldeia, perdido em algumas divagações que postei por último aqui no blogue, nestes dias passados; quero voltar à fotografia e postar mais uma ou outra de Lanheses e da beleza desta aldeia...

Para descomprimir e começar a semana:

Modo Manual - FINEPIX S2500 HD - ISO 64 - f5.2



Modo Manual - FINEPIX S 2500 HD - ISO 64 - f11.2

A Sul, na veiga, os malmequeres começam a compor a paisagem lanhesense em belos tons de amarelo, banhados por breves chuveiros e alguns banhos de Sol...lindo, lindo, lindo!!! Apesar do ar bem fresco que se tem sentido, é a Primavera no seu esplendor!!!

Boa semana de trabalho!




domingo, 15 de abril de 2012

Centenário de uma tragédia!

Primeiro facto - Estou confortávelmente instalado no sofá em minha casa, com uma temperatura ambiente bastante agradável, bastante amena, pese embora a noite fresca que lá fora se faz sentir.

Segundo facto - Desde miúdo, que o meu pai incutiu o hábito de me levar a Viana até à zona da doca, ver os barcos de pesca, os grandes bacalhoeiros que por ali ancoravam antes de partir em nova demanda para as águas gélidas do Atlântico Norte, na pesca do fiel amigo, o bacalhau. Tal atitude do meu progenitor incutiu em mim um gosto desmedido por grandes navios! Uma admiração enorme ao ver aquelas fortalezas flutuantes que me deixavam atónito de estupefação por tamanha grandeza e colossalidade! Ainda hoje os admiro! Não sendo pessoa que dê muita importância a luxos, aliás não dou nenhuma, não consigo ficar indiferente à bela visão que é ver um navio transatlântico, ou cargueiro, ou até pesqueiro a cruzar as águas, desfilando imponente!

Terceiro facto - Há cem anos atrás a esta hora 23,40h os vigias do mastro de um dos maiores e mais luxuosos transatlânticos jamais construídos, têm a terrível visão de um gigantesco iceberg mesmo em rota de colisão com o navio. Iniciava-se assim aquela que viria a ser uma das maiores tragédias da história marítima dos tempos modernos. O Titanic, navio catalogado como inafundável, embatia contra um gigantesco bloco de gelo flutuante e em apenas duas horas e meia, mais minuto menos minuto, este colosso dos mares desaparecia para sempre nas profundezas do Oceano Atlântico, a 150 kms dos bancos gelados da Terra Nova, ceifando a vida a mais de 1500 pessoas. Uma tragédia.

Quarto facto - Comparando-me com os demais passageiros que há cem anos atrás a esta hora entravam em agonia e desespero pela tragédia que teriam de enfrentar nas próximas horas, penso neles e em como confortávelmente no quentinho da minha casa escrevo sobre os mesmos! Que infortúnio, que tremenda perda! Morrer gelado, trucidado por um gigantesco navio a tombar sobre nós, ou sugado pelo mesmo aquando do seu afundamento será por certo de uma violência e dor imparáveis...!!!

RMS TITANIC - 1912



Zarpando de Southampton, em direcção ao abismo!




As dimensões do colosso dos mares!


Começava aqui o enorme mito em volta do Titanic, muito também às custas do cinema, das televisões e da comunicação social de imprensa que nunca deixaram morrer o trágico naufrágio de um dos mais extraordinários navios jamais criados e concebidos pelo Homem. Poderia estar aqui a explicar tudo o que aconteceu nessa fatídica noite há cem anos atrás mas demoraria imenso tempo e mais a mais, já quase todos saberão como e o que aconteceu. Não quero no entanto deixar passar em branco aqui no blogue esta triste efeméride, homenageando todos os que pereceram juntamente com o Titanic e para sempre desapareceram, alguns muito novos, cedo de mais e em especial o seu comandante, Edward J. Smith, que preferiu morrer e submergir juntamente com o seu muito amado navio! O comandante Schettino do Costa Concórdia, (outro fabuloso navio) deveria pôr os olhos neste tremendo exemplo de heroísmo e bravura de personalidade. Para Comandante de Navio só deveriam ir aqueles que na iminência de desastre preferem ser submersos juntamente com a gigantesca muralha de aço que pilotam e comandam! Pois isso, é a sua vida...

00,05h - Há cem anos nos primeiros botes salva-vidas começavam a ser colocados as mulheres e crianças primeiro, para se salvarem de uma terrível morte, mais que certa! Era assim nessa altura, a diferenciação de classes sociais existia e muitos dos que morreram eram gente pobre em demanda do sonho americano!!!! Mal sabiam para que infortúnio navegavam...

Em apenas duas breves horas 46000t de aço e de luxo, submergiam para repousarem para sempre a 3800mts de profundidade no leito do Atlântico Norte! Muitos sonhos e muitas vidas se desfizeram naquela noite!

Às 02,18h as luzes do Titanic piscam uma vez e depois apagavam-se para sempre...

Fica para sempre a lembrança de que um dia existiu um navio que era considerado Titânico, mas, submergível, como todos os outros! Se a modéstia toldasse um pouco mais a mente humana, esta tragédia jamais teria ocorrido...


ÀS 02,20h o Titanic submerge para sempre nas profundezas do Atlântico Norte...


O meu profundo respeito por todos os que há cem anos atrás morreram nesta noite!


Um aparte, os barcos de luxo a motor (vulgo lanchas ou iates) não me dizem absolutamente nada, sou antes porém, um fervoroso adepto (para além dos grandes navios de cruzeiro ou de carga), de veleiros e, se um dia fosse rico, muito rico, por certo compraria um para dar a volta ao mundo navegando todos os Oceanos deste planeta Terra tão maravilhoso; cortando as ondas ao som do Sol e acompanhado pelo ladear frenético de um grupo de golfinhos...passaria com certeza em sua homenagem, ao som do vento, no local onde jaz o Titanic...isto é somente um desabafo...



sábado, 14 de abril de 2012

Com um papelito me tentam enganar...

Não sou o género de pessoa que faz contas e continhas a tudo e mais alguma coisa, mas por vezes faço algumas (como todo a gente o faz) e, nomeadamente faço-as, quando vou ao supermercado e às gasolineiras, comprar haveres para manter o cabedal e atestar a maquinaria que tenho estacionada à porta de casa, respectivamente.

Ora foi precisamente o que fiz quando saí da superfície comercial onde faço as compras para atestar a dispensa com os bens inerentes à sobrevivência do corpo e qual não é o meu espanto (até nem muito, mas algum) quando sou bafejado com dois "valiosíssimos" vales de descontos em combustível, desde que comprado nas gasolineiras que o vendem, pertenças à nossa petrolífera.

Passados dias pus-me a fazer contas e coisa e tal lá me apercebi e cheguei à conclusão, de que, se os aplicasse e me dirigisse a Viana para atestar os depósitos das viaturas utilizando os vales, iria encaixar um aforro de 1,80€...por cada vale...!!! Uma fortuna! Claro que nas entrelinhas muita matéria vem explicadinha em letra muito miudinha, de modo a que ninguém seja enganado, [impressionante a honestidade das gasolineiras] e aquilo que até parecia um bom desconto, 6cts/litro já é um valor bastante considerável num depósito atestado, transformou-se num sorriso estampado no rosto ao pensar que estes gatunos não dão mesmo nada a ninguém...(risos)...é que a promoção só é válida até a um limite máximo de 30 lts!!! Daí o aforro de 1,80€!!! Isso era o que quase gastaria, por exemplo com a J5, se tivesse de me deslocar a Viana para lhe enfiar trinta litradas de gasóleo...

Vão enganar outros seus sacanas do caraças...por isto e outro tanto como isto, não passo o dia perdido entre papeis de vales, descontos e descontinhos, que não servem para nada, somente para nos enganar e rotular com um atestado de...bem, não vou aqui escrever o que penso...!!!

Com um papelito me tentaram enganar e eu, com o tradicional gesto inventado por Bordalo Pinheiro, os mando para aqueles lados...vocês sabem bem quais!!!



Cada vez mais, adoro a bicicleta...


Fim-de-semana chuvoso...

Avizinha-se um fim-de-semana deveras chuvoso (e ainda bem pois tem feito muita falta); enquadrado com esta chuva de Abril, o meu espírito pede-me música e vou aproveitar para ouvir alguns álbuns que tenho na minha "discoteca caseira" de modo a relembrar tempos idos, memórias doces e ternas, assim como deixar-me estar por casa fumando uns cigarros e bebendo uns copos, ao som daqueles de quem sou fã.

"Recordar é viver" - já dizia o célebre Vítor Espadinha.

Enquanto fumo mais um prego e escrevo aqui no blogue, estou ao mesmo tempo a ouvir um dos cantores que mais influenciou a minha juventude...isso mesmo...Tom Waits, dono de uma inconfundível voz de fundo de cabaret, roufenhamente sensual e conotado com uma das maneiras de ser mais estouvadas dos tempos modernos! Phonix, tanta depreciação não lhe tira o mérito de ter empregue na música a nível mundial, tanta genialidade! Um estigma que atinge somente alguns predestinados...

Sou um incondicional fã da sua maneira ajabardada de vestir, do terrível hábito de fumar cigarro atrás de cigarro, dos palavrões atirados ao vento em dias de tempestade, mas sobretudo do seu lirismo e da sua maneira de fazer poesia, que lhe permitiu compor algumas das mais belas baladas que um dia ouvi...aprecio de sobremaneira, quando ao vivo as entoa (ou entoava, no passado, a idade agora pede mais juízo) completamente bêbado...Waits, não cantava embriagado, cantava mesmo bêbado...essa é a melhor palavra a ser empregue num génio da música que empanturrado em whisky ainda era mais charmoso e a sua música mais sensual! Aquele piano vibrava, especialmente no tema de 1977 "The piano has been drinking"...

Fica o vídeo do tema que estou a ouvir enquanto escrevo estas linhas aqui no blogue- Step right up - Tom Waits...


Que violência explosiva, mas extremamente saudável, a do contrabaixo em confronto com o saxofone...somente um génio comporia assim...

Também tenho o direito de me "emborrachar" com o som de Waits misturado com o da chuva que está caindo lá fora...

Que bom é, ouvir estes dois maravilhosos sons, o da chuva de mãos dadas com o de Waits composto há uns quase, quarenta anos atrás! Passados todos estes anos e uma infinidade de álbuns editados continua como o "Vinho do Porto"...quanto mais velho...MELHOR!!!!


Lá vai mais um prego...