Páginas

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Alguns dos números para Domingo dia 2.

No âmbito da FESTA no MILHEIRAL posto agora algumas fotos dos cenários alusivos a certos números que ocorrerão enquadrados no programa desta festa e que certamente vêem valorizar um espaço natural (ainda que moldado por mão humana) já de si revestido de muito valor e beleza pictórica!
 
 
Palco das Bétulas, que acolherá o número protagonizado por Ana Ferreira na voz e Paulo Pinto ao piano (15.45h), que conhecendo eu como os conheço e a sua qualidade como músicos, protagonizarão sem duvida, um dos mais belos números deste dia! Seguem-se-lhes ACADEMIA JÁ DANÇA (16.45h) onde todos poderemos abanar o corpo ao som de música, à semelhança da edição anterior.
 
 
 
 
Pista para o salto em comprimento, onde o "Olímpico" e natural de Lanheses, Gaspar Araújo, demonstrará todas as suas potencialidades neste tipo de desporto (17.45h).



 
 
 
Futeboladas dos velhos tempos, torneio de jogos de futebol interfreguesias, que ocorrerão às horas marcadas como se mostra na imagem acima postada e onde poderemos ver as "velhas guardas" (e algumas grandes barrigas) em plena acção, relembrando tempos que certamente a muitos trazem muita saudade e belas lembranças...desculpem a parcialidade, mas vou torcer por Lanheses, como é óbvio...(risos)...e apesar de ser um fraco adepto de bola!!!
 
Antevê-se um dia muito divertido, preenchido por um cartaz muito diversificado!
 
 
É a FESTA no MILHEIRAL! Aparece e traz um amigo também!
 
 
 
 
 
 

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Tudo a postos no Parque Verde.

Aos poucos e com alguma azáfama à mistura, o que é perfeitamente normal nestas ocasiões, a área do Parque Verde se vai compondo de modo a receber toda a comunidade Lanhesense no próximo dia 2 de Setembro.
 
Hoje, numa hora de acalmia, quando ninguém circulava por aquela zona consegui algumas boas fotografias que passo a postar aqui no blogue, com esta área toda engalanada para a festividade que aí vem.



 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Esta paisagem deslumbrante, agora despida de gente, espero venha a estar composta por grandiosa moldura humana, no próximo Domingo, com a festa da nossa comunidade! Segundo os dados da meteorologia, o calor para os próximos dias vai apertar, portanto, não será de estranhar que nesse dia (inclusive) muitas gargantas sequiosas venham a estar desejosas de bom e fresquinho vinhinho...(risos)...será de concluir, que a alegria dará o mote para mais uma FESTA no MILHEIRAL! Assim o espero!
 
Venha então de lá, esse calorzinho sempre bom, de Setembro...
 
 
 
 

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

CONVITE.

O SSVSA através das palavras do presidente da Junta de Freguesia, professor Ezequiel Vale, vem convidar todos quantos acompanham este espaço virtual a participarem da FESTA no MILHEIRAL, uma festa que se quer de todos e para todos, os lanhesenses, assim como para os forasteiros que entendam que devem ou gostariam de participar!
 
 
 Clique sobre a imagem para visualizar em tamanho maior.
 
 
Novos e velhos, à esquerda ou à direita, o que se quer é que seja um dia marcado pela felicidade e alegre convívio, e que toda a comunidade lanhesense venha a aderir efusivamente, naquele que é o grande convívio anual para as suas gentes, desta bela aldeia que é Lanheses!
 
 
Venha fazer a FESTA no MILHEIRAL, traga um amigo também!
 
 
 
 

terça-feira, 28 de agosto de 2012

De volta à vidinha (dita) normal!

Terminaram (por agora) os dias de bonomia e de languidez para o corpo! Este é mais um ano civil que começa para mim e com imensa saudade (já) relembro os dias de férias que ficaram para trás, das horas passadas inteiramente dedicadas ao divertimento e à descoberta também (Paris tão bela ficou para trás apesar de continuar para sempre no mesmo local, para ser revisitada), aos prazeres da carne e do espírito, o corpo nu deitado na areia banhado pelos raios de Sol deste Verão de 2012! Tudo tem o seu tempo, é certo, e o período de férias passou! Vem de novo aí mais uma temporada dedicada a percorrer os caminhos desta aldeia, a retratar o campo e a natureza, embrenhar-me neste doce verde que compõe a paisagem lanhesense, levantar pó à minha passagem pelos caminhos em terra da veiga e contemplar assiduamente o Lima correndo, ora sereno, ora veloz e furioso, em direcção ao mar onde as suas águas se misturarão com as águas do imenso Atlântico!
 
É chegado o tempo de renovar os votos por Lanheses e continuar com gosto e dedicação a "cantar" aqui no blogue, as belezas de uma aldeia, inserida num vale maravilhoso de características muito peculiares, como é este vale da Serra d´Arga, olhar as suas gentes, os seus costumes, as suas tradições e com afinco e lucidez, embora sem perder o sentido crítico, expô-los aqui neste espaço, onde dou largas à imaginação e ao sonho, assim como ao imenso gosto que tenho em escrever quando me sento (como agora o estou a fazer) em frente ao PC na esplanada de minha casa, rodeado por tão carregado verde, motivado pelas chuvas deste Agosto que caíram esta noite...


 
O velho Freixo do caminho de acesso à ponte de Linhares, idoso por certo, mas ainda imponente!
 
 
 
 
 
Atravessando a passadeira em madeira o blogue continuará a sua "marcha" por Lanheses, incólume ao rigor e ao passar dos tempos, em direcção aos arvoredos, ao rio, à aldeia e sobretudo às suas gentes, leitores ou não leitores, daquilo que escrevo e para os quais escrevo!
 
O SSVSA está de volta!
 
 
 
 

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

CONCURSO de ESPANTALHOS.

No âmbito da realização da FESTA no MILHEIRAL, terá lugar a ocorrência de um concurso de espantalhos, onde os moradores dos diversos lugares da nossa aldeia poderão dar largas à sua imaginação e compor dois destes saudosos e cada vez mais raros de se visualizarem nos campos deste país, autênticos dissuasores de pássaros, por alturas dos tempos das sementeiras dos campos!
 
Abaixo se divulga o regulamento do concurso:

 
 
 
 
 
Um número original e que vem provar a imensa versatibilidade que a nossa edilidade impregna nesta festa, que se quer, de todos e para todos!
 
Aproveite e participe!
 
 
 
 

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

FESTA no MILHEIRAL - PROGRAMA!

CARTAZ e PROGRAMA da FESTA no MILHEIRAL!
 
 
 
 
 
 
Dia 2 de Setembro, se espera seja, mais uma dia de alegre convívio para toda a gente da freguesia e forasteiros também, que, como na edição anterior, queiram participar desta grandiosa festa na nossa aldeia.
 
 
Aparece e traz um amigo também! Lanheses agradece! Vem fazer a Festa no Milheiral!
 
 
 

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Marte! Um pouco de humor...ou talvez não!

Descobri esta imagem surpreendente e divertida, enquanto divagava pelo universo virtual e constato que, analisadas todas as componentes psicológicas e cerebrais pelas quais o cérebro humano é composto, já estamos a ser contestados, mesmo em terras do planeta vermelho, sem que ainda tenhamos lá chegado, com excepção de um estranho protótipo mecânico, pois os marcianos que já nos conhecem muito bem, sendo bem mais inteligentes que nós e anos-luz à nossa frente em matéria ambiental e de preservação do seu mundo, não querem lá uma espécie parasitária e destruidora como a Humana!

Fica a imagem que atesta a veracidade desta minha afirmação! Eles, sim, têm toda a razão! Não nos querem lá! Bem, quem no seu perfeito juízo quererá uma espécie como a Humana, tomando conta do seu mundo! Nenhuma como é óbvio (risos)...quando lá chegarmos...(eles sabem-no bem - Bye Bye Marte)...H.G.Wells quando escreveu o fabuloso "A Guerra dos Mundos", se hoje fosse vivo teria certamente nesta novela, escrita em tempos modernos, mudado a espécie "má", e seria a nossa, a retratada como alienígena e altamente devastadora dos recursos do planeta!


Fotografia enviada pelo robot Mars rover Curiosity! (risos...)


Do sangue uns dos outros já nos alimentamos há muito tempo, só falta mesmo, com esta sofreguidão marciana como retratada por Wells no seu livro, acabar com o planeta Terra!


Já não faltará tudo...



domingo, 19 de agosto de 2012

PETIÇÃO!

Contra a maldosa humilhação e tortura de animais que hoje ocorreu de modo provocatório e selvagem em Viana do Castelo, aqui divulgo a petição que já assinei, muito orgulhosamente!


Caros Amigos, 
   
        Acabei de ler e assinar a petição online: «Tauromaquia no Inventário do Património Cultural Imaterial Nacional NÃO!»


http://www.peticaopublica.com/?pi=ANIMAL


        Eu pessoalmente concordo com esta petição e acho que também pode concordar.
        Subscreva a petição e divulgue-a pelos seus contactos.

        Agradecido,
    
        Sérgio Leonel Loureiro Moreira.





Ao som de tiros dei o meu passeio na veiga...ou quase...

O título diz tudo! Ao som de tiros dei o meu passeio na veiga...ou quase isso...pois vi-me impossibilitando de percorrer todos os seus caminhos, porque, foi bem audível durante todo o dia, começou a época de caça! Por isso, tive de confinar a minha "ginga" assim como os peludos, à zona do Parque Verde onde agradavelmente algumas famílias passaram o dia quer a piquenicar (as senhoras) quer numa animada disputa de bola (os homens); pelo menos à hora a que por lá passei, uns quantos minutos antes de estar neste momento a escrever este tópico no blogue, neste quente final de tarde de Agosto. Continuo a não compreender como é possível que na veiga seja permitida a prática deste "desporto" (escrevo entre aspas porque a isto não dou o nome de desporto, dou outros que não quero aqui referir...) a meia-dúzia de passos de um caminho que serve a ecovia e a outra tanta meia-dúzia de passos do Parque Verde onde são várias as pessoas que usam aquele espaço (ao serviço da freguesia), em animados convívios ou simplesmente passeando, saboreando as belezas que semelhante lugar tem para nos oferecer ao olhar...!!!

Cabisbaixo e enervado, ainda por cima com uma avaria em termos de transmissão no raio da bicicleta, e a pé, lá retornei a casa da família, na Agra, sempre acompanhado pelo som do troar das armas usadas em "tal e simpático desporto" atrás referido...ui ui ui!!!

A este momento o leitor ter-se-á já apercebido que detesto tudo o que esteja relacionado com caça e abomine por completo esta prática, mas por não gostar, aliás detestar, não quer dizer que os outros não possam dela gostar e dela desfrutar...agora, tenho no entanto, todo o direito em revoltar-me e achar que a veiga não é, dadas todas as condicionantes que foram criadas naquelas áreas (veiga e Parque Verde) para que centenas de pessoas delas possam usufruir com segurança e agradabilidade, o local para que ocorra uma zona de caça!  Era tempo de se terminar com este contra-senso...

Neste momento é de todo incompatível ter na mesma área, uma zona de caça, uma zona que serve a ecovia e uma zona com forte potencial turístico como a do Parque Verde!

Quem de direito, por mais que custe a muitos, terá de adoptar uma postura e resolver esta incompatibilidade...ainda por cima num país onde a culpa, sempre que ocorrem acidentes graves ou menos graves, morre solteira!!!

Os últimos balázios que troaram no ar marcam a extrema proximidade do caçador e da arma, da moradia situada na Agra de Cima, onde me encontro a escrever esta linhas no PC...isto é inadmissível!!!

Caça na veiga...NÃO!!!



sábado, 18 de agosto de 2012

Sensações...

O sentimento é de alegria, sempre que após uma partida para um destino distante da nossa terra, chegamos de novo a esta, apreciando a normalidade do decorrer do dia-a-dia, os rostos de Lanheses, a Feira em colorida azáfama, engalanada com as suas esplanadas em alvoroço, ocupadas de emigrantes, forasteiros e locais (pelo menos de dia), observar este casario branco desta aldeia linda e saboroso, a pé, é, seguir calmamente em direcção ao rio pela Avenida Rio Lima com os peludos correndo na minha frente e saborear todo o verde com que esta paisagem me brinda, de mãos dadas com o Lima, voltar a ver o barco Água-arriba, o Parque Verde, ver os bandos de gaios e de poupas esvoaçando pelo céu e sentir os cheiros típicos que emanam das flores e das árvores que abundam por aquelas paragens e ao longe, algures no céu de Lanheses, ouvir o belo canto da Águia-de-asa-redonda...depois de partir e voltando de novo a casa, um desfilar sem fim de sensações me povoam o pensamento, facultadas pelos órgãos sensoriais!

É bom estar de novo em casa, "desfazer" a mala, voltar a colocar tudo nos respectivos sítios, guardar as lembranças (sempre muitas) e retomar o ritmo normal de vida, mesmo que as férias ainda estejam aí mais alguns dias, para serem gozadas devidamente. Talvez por isto, dê tanta importância ao conceito - viajar - porque após a viagem, estas sensações são ainda mais sentidas, com a emoção de novamente voltarmos a ver a nossa aldeia e saborearmos os seus cheiros...viajar para mim, reveste-se de significado, porque o voltar com a passagem das horas e dos dias, se torna ainda mais desejado e plenamente saboreado, aquando da nossa chegada!



Feliz...estou de novo em casa, estou de volta a Lanheses!


quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Paris - Online & Live!

Oito da manhã portuguesas, nove aqui, em Changis-sur-marne! Começo estas palavras aqui escritas com o Sol da manhã a bater-me no rosto, acompanhado das melodias da passarada, interrompidas somente pelo som de um ou outro avião que passa; sentado na esplanada do terreno da casa de familiares, que tão bem me acolheram em França.

São as férias e tenho andado em catadupa percorrendo as magníficas ruas de Paris, assim como todas as atracções turísticas que esta gigantesca cidade me tem para oferecer. Inicialmente, em Portugal, era das pessoas que tinham uma negativa impressão acerca de Paris, a cidade luz, quer por tudo o que tinha lido relativo ao frenético ritmo que a cidade vive e pelas referências lidas relativamente aos elevados níveis de poluição sonora e atmosférica, assim como a sua pobreza em termos de zonas verdes; pelo que a minha opinião, sobre este colosso da Europa e do mundo, não era realmente a melhor!

Passados cinco dias de estadia por estas bandas, tudo na minha mente mudou e realmente tenho a constatação que a realidade virtual, jamais suplantará a realidade física! Depois de me ter embrenhado na cidade e ter partido à sua descoberta, não podia estar mais, com os pensamentos e ideias acerca de Paris, completamente trocados, como estou! Esta cidade é fenomenal e tudo em si nos faz parecer pequeninos, quando nos imiscuímos pelas suas ruas, avenidas e ruelas! Aqui respira-se história e a cada dia que passa, a percepção que tenho, é que aqui todos os dias, são dias históricos! Paris é no mínimo IMPONENTE! Não vou fazer um roteiro daquilo que já visitei, porque este até nem é um blogue sobre viagens, mas relembrando os mais variados locais que já visitei e analisando agora nesta calma manhã os majestosos monumentos que ocorrem a cada esquina dobrada, ocorre-me dizer que Paris superou todas as minhas expectativas, algumas delas bastante negativas! Agora, ao apreciar os seus soberbos edifícios me apercebo como não haveria de ter aqui acontecido a revolução, no local onde uns poucos viviam abastadamente e milhares viviam na míngua! Para qualquer lado que um visitante se vire, fica boquiaberto, tal a majestosidade da arquitectura desta cidade, das longas e largas avenidas e dos monumentos colossais, que por aqui abundam aos pontapés (perdoem-me este portuguesismo no final da frase). Mas, é mesmo assim! O ritmo turístico é frenético e em cada monumento a visitar existem longas filas de espera, os turistas, como eu, são aos milhares e em cada monumento se presencia uma amálgama de raças em demanda de conhecimento, desde chineses, japoneses, africanos, americanos, ingleses, alemães e restantes nórdicos e claro está, portugueses, entre muitos outros! Inimaginável, quando analisada esta metrópole, pelo ecrã de um monitor de PC. Desde Montmartre (que amei), aos Champs Elysées, até ao Sena, ao Louvre e à Torre Eiffel, em cada esquina há algo para ver e saborear, sendo tudo tão diferente de Portugal! Até os cafés são diferentes dos nossos, românticos, com as suas esplanadas ricamente decoradas onde os parisienses e forasteiros aproveitam para tomar um café, ler um livro, ler o jornal e namorar...os cafés desta cidade, assim como os de toda a França, conheço já muitos, são em tudo diferentes dos nossos e o uso que lhes dão, forasteiros e locais, difere em tudo do uso que nós lhes damos em Portugal! Este é um mundo completamente diferente daquele a que estamos habituados e não me canso de o dizer, nos faz sentir pequeninos! Paris a mim, faz-me sentir como se fosse um anão! Estou a amar esta cidade, a cidade luz, agora, depois de ter subido ao topo da Torre Eiffel de noite e observar a cidade a 324 metros de altura, entendo este epíteto com que a baptizaram, CIDADE LUZ...Paris é isso mesmo, luz! E nem tão pouco me lembrei mais, da poluição e da falta de espaços verdes...







Ao iniciar este tópico, escrevi sobre Changis, Changis-sur-Marne, que é onde estou na realidade, nas cercanias da cidade luz e que representa um pouco aquilo que é a França. Um país enorme, moderno, histórico, mas ao mesmo tempo de uma ruralidade impressionante e muito bela. Nas minhas deslocações a Paris, sempre de carro, pude constatar pela janela do automóvel em andamento, que as aldeias como Changis-sur-Marne e pequenas vilas, são compostas por pequenos aglomerados de casas com uma arquitectura típica do norte, bem alinhadas e harmoniosas entre si, cada uma com o seu enorme e bem tratado jardim (entendo agora onde foi buscar a inspiração, o amigo Doro, para o seu esplendoroso jardim), rodeados por amplas paisagens de campos verdejantes e cultivados, onde quase não se vê nenhum latifúndio por maior ou menor que seja, ao abandono! Quão diferente de Portugal...neste local calmo e verdejante, nem nos apercebemos que estamos junto a uma cidade que tem tantos ou mais habitantes que o nosso pequeno país, como Paris! Cada viagem à cidade luz revela-se maravilhosa quando apreciámos da janela do automóvel, em silêncio, todo o verde da paisagem e que acompanha a estrada, ver os bandos de corvos que se alimentam nos terrenos cultivados, a maquinaria pesada que colhe o centeio e ao fundo ver esta e aquela aldeia com as suas casinhas típicas, harmoniosamente emparelhadas entre si...que bela é a "campanha" (o campo) em terras de França!











Ao percorrer as ruelas de Changis, observar o rio Marne e o calmo verde de toda esta aldeia, o "bonjour" educado das gentes daqui, sei que levarei para sempre na memória estas maravilhosas férias em terras de França, a monumental Paris, e a doçura e silêncio típicos do campo...e de Changis-sur-Marne!!! Sem contar, encontrei um pequeno paraíso...

J´aime vraiment ces vacances á Changis!




sexta-feira, 10 de agosto de 2012

FESTA no MILHEIRAL.

PARA DIVULGAÇÃO!




Estamos a sensivelmente três/quatro semanas da realização daquela que é uma das grandes celebrações na nossa aldeia. Aqui fica a publicidade, apelando à participação de todos os lanhesenses!!!



Agora sim...ATÉ BREVE...

Não sou o género de pessoa que goste muito de usar citações de outras, quer sejam da autoria de grandes vultos da literatura mundial, quer sejam da autoria de outros cidadãos anónimos, mas esta que abaixo posto, é da autoria de um dos grandes vultos da poesia e prosa mundiais que muito aprecio e que, reflecte de sobre maneira, o meu estado de espírito antes da partida para mais uma aventura.

Agora sim, é tempo de dizê-lo (por uns tempos) - ATÉ BREVE!









Os meus olhos pousam agora de noite docemente, sobre Lanheses, que a esta hora repousa sossegada e em silêncio...


 

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

A imponente beleza do Rio Lima...

Aproveitando o dia ventoso que se fez sentir e talvez por alguma preguiça em estender as toalhas para tomar uns quantos banhos de Sol, contando também, com o evitar em me transformar num panado, com o corpo embebido em óleo tocado a areia que andava no ar na praia, fustigada pelo mesmo vento forte, entre outras coisas; este foi um dia em que aproveitamos, eu e a minha companheira desta vida, para passearmos pelos caminhos da veiga com os peludos a correrem felizes na nossa frente.  

Se em tempo normal, em que os horários de trabalho não permitem a plena comunhão da vida conjugal, já é bom, passear-me sozinho pelos caminhos da veiga, então acompanhado daquela que amo, torna-se por demais...maravilhoso! Foi o que fizemos! Fomos caminhando de mãos dadas desfrutando da natureza e das belezas que Lanheses tem para nos oferecer, apreciando toda esta bela paisagem, trocando beijos, abraços, sorrisos, aqui e ali, por vezes afastados, outras brincando com os peludos e outras tantas somente conversando...confesso que já tinha saudades de passear assim bem acompanhado e ver a felicidade estampada no rosto da minha esposa...

Seguimos a pé até à ponte que une as duas margens de Lanheses e da aldeia vizinha de Fontão sobre o regato da Silvareira e aí, com a maré a subir, batida pelo vento fustigante, ficamos por alguns bons minutos a apreciar a imponente beleza do rio Lima, correndo como um louco para a sua foz em Viana, por entre as margens de Lanheses e de terras de Geraz. Aqui o Lima assume contornos dantescos de uma beleza épica, entre curvas de belo prazer para o olhar...este continua a ser para mim um dos locais ideais, onde a alma encontra paz e o espírito se deixa contorcer, tal e qual as curvas do Lima, correndo veloz, ao fundo...

Com a Fuji em punho, o obturador logo foi clicado, para que estes momentos de serenidade e romantismo, ficassem para sempre guardados em imagem...





Que imponente beleza...

A minha vida, está aqui representada nestes três seres... 


Continuo a viver a vida intensamente e este amor que me aquece o coração...

 



terça-feira, 7 de agosto de 2012

Momentos...

Fotografias tiradas numa excepcional manhã de Agosto, junto ao Lima e na veiga, onde não faltaram encontros com um bando de garças-reais, que curiosamente há muito tempo, não punha a vista em cima!


 
O vale da Serra d´Arga!


A obreira aranha viu a sua teia embrenhada em orvalho, pela manhã!


E a cobra deixou por aqui a sua pele velha...


As garças, as quais há muito não avistava, continuam por aqui enriquecendo a nossa avifauna, com a sua presença.


Um postal do Lima e de Lanheses!


Momentos, retratados em fresca manhã de Agosto!



segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Aquele cardume.

Num daqueles momentos silenciosos
enquanto o rosto fita as águas,
nelas afogando tontas mágoas
e todos os pensamentos dolorosos...

Aquecendo-me a alma e o coração
nadando nelas, vejo um cardume,
no íntimo, o calor cresce como lume,
navegando nas palavras deste refrão!

São peixes, que sendo o que são,
que nadando na água sem cessar,
em mim provocam emoção...

Vendo neles um tão belo navegar.
Muitos peixes, um cardume, em plena navegação
fomentando alegria, a quem da margem, o está a observar.


 








(do autor Sérgio Moreira, enquanto fotografava um pequeno cardume nadando nas águas do Lima)






Bandos de Poupas!

Um fenómeno natural me tem chamado a atenção em particular, este Verão, para os lados da veiga! Como o Gaio, espécie de ave que abunda em grande número nas zonas da veiga, tenho vindo a constatar que este ano, a população de Poupa também ocorre em número significativo e não é de estranhar a quem se passeie pela zona, que bandos de quatro ou mais indivíduos se pavoneiem em frenéticos voos à nossa frente, com as suas cores apelativas ao olhar e grandes bicos curvos, dando um colorido diferente a esta paisagem já de si extremamente bela.

Tive oportunidade de fotografar uma vez mais um dos exemplares desta espécie, que curiosamente (embora mantendo uma distância mínima de segurança) nunca se chegou verdadeiramente a afastar da minha pessoa e dos meus peludos, talvez, não temendo a nossa presença. Aqui posto algumas fotografias relativas ao "passarolho", que (a meu ver) é um dos mais belos, que compõe a nossa avifauna, enquanto nos "estudava" empoleirado, nos fios da rede eléctrica.
















Fotografias tiradas a bordo da J5, onde, numa excepcional manhã de Verão, calma e sem praticamente ninguém que desfrutasse, também como eu, daquelas paragens, consegui alguns sets de fotografias bem interessantes com várias espécies animais, das que polulam na veiga e nas margens do Lima.

Temos por vezes, a estranha tendência para considerarmos espectaculares em detrimento das nossas, as espécies animais que abundam noutros países, nomeadamente as consideradas exóticas que ocorrem em países distantes dos nosso, quer em zonas de clima tropical, quer noutras zonas, como em África, por exemplo. Muito por culpa da televisão, que dá grande ênfase a programas que retratam a vida animal sobretudo nas planícies Africanas, mas aqui no nosso cantinho, também habitam espécies de tremendo valor ecológico-natural, que importa preservar e divulgar, não menos belas que muitas outras que habitam outros continentes! A Poupa, neste caso particular, é para mim uma das mais fenomenais!

Já era tempo de a nossa televisão (pública e privada), ao invés de gastar rios de dinheiro a importar programas televisivos por vezes repetidos, (começo a ficar farto de ver gnus a serem devorados por crocodilos e leões a matar zebras) sobre a fauna de outros continentes, optasse por gastar esse mesmo dinheiro, fazendo verdadeiro serviço público, em programas sobre a natureza dentro de portas, mostrando a beleza natural que ocorre em Portugal, um país que é um autêntico santuário de fauna, dadas as suas características naturais e a sua privilegiada localização geográfica e que muita da nossa população ainda desconhece!


Fica aqui este desabafo!





domingo, 5 de agosto de 2012

Regresso às origens...

Sentir os cumprimentos e abraços de quem há muito já não vemos, é uma daquelas sensações gloriosas para o espírito, sempre que matamos saudades e privamos com aquele ou com aquela amiga que um dia fez parte do nosso restrito grupo de amigos, com a sua presença, quase diária, mas que agora, passados anos, os vemos somente por ocasiões festivas ou ocasiões outras mais raríssimas, de outra índole qualquer!

Este tópico retrata o meu regresso às origens, à aldeia que deixei para trás, quando me casei e escolhi Lanheses, como a minha nova moradia...

E como é bom rever a terra (senti-me um bocado emigrante é verdade) onde crescemos e vivemos por longos anos, rever os amigos, rever familiares com quem já não privávamos há muito tempo, absorver o calor das paredes daquelas casas, tantas e tantas vezes sentido por nós, calcorrear as ruelas, onde um dia, brincando, em loucas correrias de bicicleta e de carrinho de rolamentos artesanal, mas fugaz (risos), nódoas negras nos joelhos e canelas esfoladas transpirando sem cessar...fui feliz, fui menino, crescendo me fui fazendo homem!

Como é bom este regresso às origens, como é bom ver que a Meadela continua na vanguarda das festividades que um pouco por todo este verde Minho, em Agosto, se vão realizando, com o seu povo a aderir massivamente! E claro, também foi curioso e satisfatório, cruzar-me nas suas ruas com inúmeros lanhesenses que aqui chegam para testemunhar a beleza destas festas em honra da padroeira da aldeia (que já não é aldeia) Santa Cristina.

E como é doce a sensação, de no meio de tantas cabeças curiosas daquela vasta multidão, aquele indivíduo alto, de cabeça rapada, pele bronzeada, brinco na orelha, braços carregados de tatuagens, vestindo umas estranhas calças de farrapos cosidos uns aos outros, receber semelhante abraço do pároco da aldeia, Monsenhor Vilar, que viu esse menino crescer, e em parte até, responsável por uma fase da sua educação, abraçá-lo com alegria e trocar palavras revestidas de carinho, com esta ovelha tresmalhada, que largou um dia o seu rebanho e se veio juntar a outro rebanho localizado mais a Leste da freguesia à qual preside!

A Meadela é isto e, apesar de todas as transformações físicas que ao longo dos anos veio a sofrer, vergando a um progresso que nem sempre foi o melhor ou até o mais correcto (no meu entender), continuará a ser para sempre, a pequena aldeia da Meadela, das minhas "loucas" brincadeiras de infância!












É tão doce, por três breves dias, regressar às origens e absorver o que a minha aldeia em tempos, há muito idos, me faz com ternura relembrar...


sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Um até breve...

E pronto!

Cá estou em pleno mês de Agosto e com ele, neste dia, chega ao fim mais um "ano civil", para mim e para a minha "pequena" família. É chegado o tempo de recarregar baterias, deixar o corpo entregar-se ao dolce fare niente, estender e bronzear a pele na praia porque é Verão, dar uns quantos mergulhos no mar e no rio, passar mais tempo com os familiares e aproveitar, para partir; partir com a minha companheira desta vida, em busca de novas paragens, novos lugares, novas gentes, alimentando esta sede de conhecimento, que o meu cérebro pede, sem cessar.

Vem aí o tempo de viajar, de olhar o Atlântico apaixonadamente, de petiscar ao final da tarde ouvindo a passarada a cantarolar em frenéticos vai-vens; vem aí o tempo de me deliciar com os belos pôr do Sol em Agosto, ver calmamente o céu avermelhar a Oeste com o cair da noite; vem aí o tempo das loucas passeatas sem fim na veiga acompanhado dos meus peludos e vem sobretudo o tempo, de não ter horários e de poder namorar aquela lanhesense que amo e que continua a aturar pacientemente os meus devaneios, as minhas loucuras e acreditem, não são poucas!

É chegado o tempo de Férias! Para o SSVSA, também!

Este foi um ano de muito trabalho, quer em termos pessoais e profissionais, quer a nível do blogue. Foi o ano em que o SSVSA se foi tornando mais conhecido, mais comentado, mais participado e atingiu um patamar superior. Foi tão deliciosamente bom, conhecer e privar pessoalmente com  muitos lanhesenses que não eram para mim, mais do que, autênticos estranhos, apenas lanhesenses, mas, ouvi-los dizer ao passarem por mim na rua com um sorriso estampado no rosto - Hoje não leva a máquina fotográfica consigo... - significa para mim, reconhecimento e mérito! Foi ainda melhor perceber que por trás do rosto de cada um de vós, de cada lanhesense, houve uma palavra simpática para comigo e para com o trabalho que tento realizar o melhor que sei e posso, em prol desta aldeia que amo e que se chama Lanheses! Disso sinto orgulho e a todos vós, muito agradecido por merecer a vossa confiança!

Posso considerá-lo um dos anos mais ricos em termos de realização pessoal, este ano civil que termina nesta Sexta-feira, dia 03 de Agosto de 2012! Ainda tenho agendado algumas publicações que pretendo fazer por estes dias, aqui no blogue, mas em breve e a curto prazo, as mesmas serão mais espaçadas no tempo, porque, como já fiz referência, o SSVSA também entrará num pequeno mas mais que merecido, período de férias.



Um até breve...a todos os que acompanham esta minha aventura pela blogosfera, deixando no ar um desejo; o desejo de que todos apostem na busca da felicidade, porque essa é a maior e mais valiosa virtude de que podemos gozar nesta vida terrena! E infelizmente, não temos outra, portanto, aproveitem esta...

Boas férias...


quinta-feira, 2 de agosto de 2012

XXXIIII Festival de Folclore.

PARA DIVULGAÇÃO!




Vai realizar-se pela trigésima quarta vez, como tem sido hábito, o Festival de Folclore da Casa do Povo de Lanheses, conforme anunciado no cartaz que se situa junto das instalações da referida Associação, tendo como cenário o sempre mui nobre e belo Paço de Lanheses. Espera-se, como em edições anteriores, grande afluência de público.

Por motivos de índole particular, não estarei presente para testemunhar a riqueza e as tradições da nossa aldeia e das suas gentes, transmitidas pela etnografia e pelo folclore, pois, será neste fim-de-semana, tempo de regressar às origens; matar saudades da aldeia onde cresci e durante vinte e nove anos vivi. São as Festas da Meadela em honra da Padroeira Santa Cristina! É tempo de rever os amigos de longa data que por lá ficaram, embora sempre presentes no meu coração, abraçar os entes queridos e privar por três longos dias com a família mais próxima, em alegres convívios e tertúlias bem regadas...saboreando os ventos da minha aldeia que um dia ousei, deixar para trás!


Vem aí, para mim, um tempo de boas recordações e de me afastar um pouco de Lanheses!


A todos, votos de um excelente e divertido Festival de Folclore!






quarta-feira, 1 de agosto de 2012

1º de Agosto.

Hoje é um dia triste!

Deveria por todos e por mais alguns motivos ser um dia marcado pela alegria, mas não, é um dia infelizmente...triste! Hoje 1º de Agosto, primeiro dia de férias para muitos, primeiro de trabalho para outros, entra oficialmente em vigor o novo código do trabalho, entra em vigor o autêntico assalto descarado aos direitos e regalias dos trabalhadores com a instituição deste novo documento e eu, na minha qualidade de trabalhador por conta de outrem, já me sinto defraudado, mesmo que ainda nestas primeiras horas deste dia, ainda não tenha sentido na pele os efeitos das medidas falaciosas que compõe esta nova legislação.

Dá-me um nojo incontrolável, olhar para a fuça destes novos políticos (se é que o são) de quinta categoria, que com a maior das arrogâncias vão sempre aos mesmos bolsos retirar dinheiro, ou seja, onde é fácil, para proteger o capital e os interesses instalados de meia dúzia de burgueses! Como poderá progredir o país e entrar na senda do crescimento e da competitividade, se a base de onde sai todo o trabalho, os braços dos milhares de trabalhadores como eu e você (talvez) que está a ler estas linhas escritas sob infinda tristeza, como poderá, dizia, progredir o país se o seu alicerce do trabalho, continua a ser explorado, vilependiado, atacado e não tenho medo nenhum em dizê-lo, roubado naquilo a que de mais elementar tem direito, trabalho justo e bem remunerado! Quem terá trabalhadores empenhados e motivados, sabendo que receberão no final do mês, aqueles que recebem, uma côdea? Como poderá progredir e competir o país, com a classe trabalhadora a ser atacada desta maneira?

Nunca! Claro está! E nem é preciso tirar uma "licenciaturazeca" (mas verdadeira, esta é para os Relvas deste país) em economia, para se chegar a esta conclusão...


Este novo código de trabalho é um roubo descarado, aos desgraçados dos trabalhadores...os que, como é costume, têm vindo a pagar as supostas crises, provocadas pela incúria e gula desmedida de meia dúzia de ladrões e parasitas que só pensam no seu bolso! Sinto-me enojado com este governo e com este presidente de república (escrevo de propósito em letra minúscula, pois não merecem maiúsculas) que deveriam já há muito tempo estar no olho da rua, alguns deles, com dois ou três sopapos bem enfiados no focinho...

Tenho de agradecer à sempre mui nobre e servil UGT, por hoje, me condenar a mim e a milhares de trabalhadores, dia 1 de Agosto de 2012, a um [re]começo de vida laboral, onde a incerteza se pautará por ser rainha...

Acordai portugueses para aquilo que vos estão a fazer...aos poucos estão a matar a nossa classe e o que resta deste país! Passados trinta e sete anos de Abril de 74, a direita está finalmente a conseguir aquilo que sempre quis...com tristeza minha, por ver ao ponto esclavagista a que isto está a chegar!!! O que Sá Carneiro sonhou um dia - Um Governo, uma maioria, um  Presidente - aí está para ficar e dar os seus podres frutos, espero muito sinceramente não se caia na tremenda asneira de o repetir de novo...em eleições!


Triste e enojado, é como me sinto!