Páginas

quinta-feira, 31 de julho de 2014

UMA DAS MAIS BELAS IMAGENS

Termina Julho e assim com ele se encerra um ciclo negro e triste!

Talvez nada mais venha a ser como era dantes, ou mesmo que possa assemelhar-se, um amargo de boca, um vazio enorme, tal como um buraco negro que no espaço tudo suga, não permitirá que o seja na totalidade como outrora o foi!

Traves mestras de uma família, essas duas traves, agora caídas, deixam a construção insegura, trémula! Que novos alicerces se possam fundar, tendo como base o amor e a fidelidade entre membros da família.

Pelo menos, entre os membros mais novos! Este é o desejo que o autor do blogue deixa escrito, para os restantes meses deste ano trágico e para também, os restantes da vida, mais que certa, jamais será a mesma...




Uma das mais belas imagens
que possa ver humano olhar
amor e ternura, duas mensagens,
que castanhos olhos fazem lacrimejar.

Nada mais o mesmo será
vida e morte quem se compadeça
na mais bela imagem se perderá
quem em angústia as mãos passa pela cabeça.

Que o poeta não perca a cabeça
por nesta vida se sentir tão mortal
a angústia e a dor não permitam que aconteça
a maior fatalidade tornar-se imortal!

Porque em algum lado vai querer
de novo, vivos encontrá-los,
mil palavras trocar e manter
e de novo poder abraçá-los!

Então o maior bem será alcançado
e para todos haverá espaço,
imortais num retrato traçado
com o poeta morto, cada um lado a lado!


(do autor Sérgio Moreira)



quarta-feira, 30 de julho de 2014

UMA QUESTÃO DE INOCÊNCIA

A inocência por vezes leva-nos a momentos hilariantes, porque é mesmo disso que se trata quando o autor do blogue olha para ele...uma questão de inocência, que conduziu a uma situação que foi no mínimo hilariante!

O Fernando, pelo menos, não sente vergonha, ou até, motivos sente para a ter...E, por momentos, no segundo arraial nocturno das Festas de Lanheses, o palco foi todo dele; muitos almejam um palco, poucos, bem ou mal o conseguem, principalmente em gozo de plena felicidade como o Fernando o conseguiu e por milagre, que possa parecer - NÃO TROUXE A CHUVA COM ELE (só para entendedores)! Afinal, sentiu-se feliz!










Fotografias sacadas do site - FACEBOOK


Ao Fernando, o autor do blogue, deixa um inocente abraço, tão inocente como inocentemente se torna por vezes a mente da gente...



terça-feira, 29 de julho de 2014

ESTA FLOR CAÍDA

No cemitério esta flor caída
a minha atenção chamou
de um ramo saída
quando dele se largou.

A guardarei por uns tempos
a guardarei para a eternidade
recordando momentos
vividos contigo em felicidade.

Esta flor caída
deu-me um sinal, um conselho,
quando do ramo saída
pousando em meu joelho.

Foi um sinal teu
meu pai, por mim tão amado,
um sinal que esta folha me deu
e me faz sentir abençoado!

Foi um vento ameno
como o saudoso sorriso teu
calmo, lindo e sereno
ao trazer-me esta flor caída, Pai meu...



(do autor Sérgio Moreira)


domingo, 27 de julho de 2014

MAJESTOSA PROCISSÃO ENVOLTA EM DORES MAIORES

Todos os cantinhos, todos os muros, todos os paralelos da ruela da feira, fazem o autor do blogue lembrar o rosto de seu pai e em como ele adorava vir a Lanheses, neste dia em especial! Observar estas festividades, privar em casa do seu filho, com a nora e demais familiares, dar uma pequena pernada ao adro e por lá ver toda algazarra inerente a este género de acontecimento, desde a despedida da fanfarra até aos copos levantados em brinde nas tasquinhas que por ali ocorrem...

Que dor! Que saudade! O autor do blogue remete-se ao interior da sua habitação, postará as fotografias inerentes à Solene Procissão de hoje e dará como encerrado este capítulo relativo a estas festividades, que as passou triste, como tristemente se recorda quando alguém tão amado partiu da nossa presença...























































Linda...


















































































































Parabéns Ana...




















Para o ano novas festividades! Oxalá o espírito do autor do blogue, outro seja! Até lá!