Páginas

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

II.ª TERTÚLIA 2014 - 1.º DE DEZEMBRO - RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA NACIONAL

Foi uma atitude digna de louvor aquela a que D. Lourenço d´Almada se prestou, ao abrir a toda a comunidade lanhesense as portas do Paço, pertença à senhora sua mãe, Condessa d´Almada e do qual é herdeiro. 

No seu interior viveram-se momentos mágicos tal a historicidade que encerram aquelas paredes com séculos de existência, ao receber num verdadeiro inédito, a última tertúlia deste ano de 2014, ou em abono da verdade, parte da mesma!

Ali, entre quatro paredes se prestou homenagem aos heróis da restauração entre eles D. Antão d´Almada, que esteve directamente ligado e foi peça importante no autêntico tabuleiro de xadrez, que se viveu naqueles longínquos anos da restauração da independência nacional. Ali foi recebido o Sr. Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, Eng.º José Maria Costa e ali também, entre aquelas maravilhosas paredes de branco caiadas e ricamente ornamentadas, os tertulianos privaram cerca de uma hora e mais alguns minutos, minutos esses recheados de puro prazer. Entre muitas conversas, alguns discursos, a passagem de um vídeo da autoria da professora Fátima Agra realizada com os alunos da Escola Secundária de Santa Maria Maior nos anos de 1992/93, alguns deles, hoje em dia, amigos pessoais do autor do blogue, que também naquele estabelecimento de ensino, muito orgulhosamente teve parte da sua formação educacional e entre vários acepipes para adocicar o paladar e o primeiro dos brindes, o do vinho branco, se passaram momentos de enorme agradabilidade, aprendendo e ao mesmo tempo, entre amigos, convivendo!


Extraordinária beleza a do Paço quando em enquadramento nocturno!





Maravilhoso...








Deliciosos pormenores.











Bandeira da época simbolizando a restauração.














Autênticas pérolas de decoração, das quais o autor do blogue gostaria de destacar a munição de canhão, real, ao fundo na fotografia.














Os primeiros discursos acompanhados por canto lírico na voz da Filipa.


D. Lourenço d´Almada discursando.


Ambiente quente e acolhedor no interior dos monumentais salões do Paço. 





Recepção ao Presidente da Câmara de Viana do Castelo, Eng.º José Maria Costa.








Fabuloso pormenor!





Fátima Agra discursando, licenciada em história e bastante à vontade na temática da tertúlia. 



O brinde com vinho branco junto ao antepassado dos Almadas directamente ligado à restauração.











Símbolo de uma Lanheses elevada a Vila Concelhia.








Discursos dos presidentes, junto ao Pelourinho!


Após estes momentos muito simbólicos, passados no fabuloso Paço de Lanheses, a tertúlia e tertulianos rumaram à sede da Junta de Freguesia, para que confortavelmente decorresse a segunda parte da mesma. O Paço, com muita pena do autor do blogue, iluminado e belo, ficaria para trás entregue a si mesmo e a todas as lembranças que o mesmo em si encerra...


Pormenor deveras interessante nas mesas postas na sala da biblioteca da Junta de Freguesia.
















Delicada e ao mesmo tempo, potente voz, a desta jovem.





Belo momento, Filipa entoando o Hino Nacional, a Portuguesa, com os presentes na sala em pé!











Brindes e mais brindes, as tertúlias são mesmo assim!





Intervenção de Filipe Rocha alusiva ao tema.





D. Lourenço d´Almada dissertando sobre o tema.








Intervenção de Paraíso de Sousa...





...e o poema composto pelo autor do blogue que agora e abaixo fica escrito na íntegra.


RESTAURAÇÃO, BREVE RESENHA HISTÓRICA RITMADA.


Perdoe-se toda a inconsciência
ao jovem El Rei D. Sebastião
que a arte da guerra, nobre ciência,
não dominava com precisão.
E assim o reino entregou
de seus egrégios avós
a Espanha, que sempre o desejou,
infelicidade, mal, pecado, para todos nós!


Sonhar por vezes não custa
e El Rei ousou sonhar
mas, em batalha só não se assusta,
quem com paixão e bravura consegue lutar!
Desaparece para sempre D. Sebastião
com isto, Portugal torna-se Espanha,
um Filipe toma a nação
Portugal é apanhado na artimanha!


O Prior do Crato ainda foi aclamado
mas nunca chegou a reinar
por nobres e burgueses, Filipe foi depois Rei proclamado,
em 1581, nas infelizes cortes de Tomar.
Sessenta longos anos de governação
sessenta anos de domínio filipino
entregue a Espanha, o maior império ultramarino,
pertença no mundo antigo, à sua mais nobre nação!


Império esse ultrajado
por tantas e tantas vezes
Império que os Filipes permitiram ser saqueado
pela Inglaterra, pela França e por ávidos Holandeses!
Sessenta anos de sofridas humilhações
de perda de direitos elementares
sessenta longos anos de privações
entre tantos outros azares!


Sessenta anos de insatisfação
culminaram num golpe de estado, numa revolta,
de Vila Viçosa foi chamado o Duque João
para que a autonomia tivéssemos de volta.
A esse grupo revolucionário
foi dado o nome de "Os 40 Conjurados"
quarenta brasões unidos em militar cenário
pela Revolução, por Portugal, votos firmados!



Os 40 conjurados
para bem da nação
por João o Nobre, liderados,
iniciaram a revolução
e entre lágrimas e sangue derramados
Vasconcelos defenestrado, caiu prostrado no chão,
a Duquesa de Mântua e ouros encarcerados
VITÓRIA! VITÓRIA! LIVRE É A NAÇÃO!


De forma tão graciosa
el Rei foi proclamado
um dia, saído de Vila Viçosa,
João o IV, como Sebastião tão desejado!
Quatro séculos passados
da data da revolução
os olhos do poeta deveras emocionados
dizem - Que orgulho pertencer a esta independente nação!


Ousemos gritar:
VITÓRIA! VITÓRIA!
VIVA EL REI D. JOÃO!
VITÓRIA! VITÓRIA! INDEPENDÊNCIA! RESTAURAÇÃO!
VITÓRIA! VITÓRIA!
INDEPENDÊNCIA NACIONAL!
VITÓRIA! VITÓRIA!
PARA SEMPRE VIVA ESTE NOSSO E INDEPENDENTE PAÍS, PORTUGAL!


(do autor Sérgio Moreira)


Viveu-se uma noite deveras agradável, muito participada, mesmo sob a alçada de um tema algo complexo de explorar, tendo sido os tertulianos sempre muito bem conduzidos por Filipe Rocha e D. Lourenço d´Almada. Jantar saboroso, acompanhado por não menos saborosos vinhos e por um frugal champagne francês oferecido por Isidoro Cunha. Tertúlia para ser tertúlia tem de ser discutida e no final uma pequena confusão com as palavras provocou momento tenso, sendo o autor do blogue seu protagonista. As palavras ditas são mesmo assim, quando ouvidas com atenção tornam-se maravilhosas, quando ouvidas com distracção ou com muito ruído de fundo podem ser mal interpretadas! Episódio logo ali sanado e selado com inesquecível e forte abraço!

Afinal de contas, era uma tertúlia...E as tertúlias devem acima de tudo ser bem discutidas e amplamente participadas! Assim o foi!

Madrugada alta terminou esta última tertúlia de 2014 e se não fossem as erradas decisões tomadas pelo centralismo de Lisboa ao privar a plebe, o povo, deste mais que merecido dia feriado, o autor do blogue sentiu que se tal fosse contrário, a tertúlia terminaria muito mais tarde.

Um governo coligado, com total desrespeito pelo histórico passado deste país, decidiu assim, e assim hoje para a plebe seja dia de trabalho!


Pela restauração do feriado de 1 de Dezembro o autor do blogue, republicano e laico, alinha pelo diapasão de muitos e afirma a solene voz - SIM, EU DIGO SIM AO FERIADO DE 1 DE DEZEMBRO!

VIVA A RESTAURAÇÃO, VIVA A INDEPENDÊNCIA! 

VIVA PORTUGAL!


4 comentários:

  1. Noite especialíssima muito bem passada e participada. Nunca tal esquecerei como das melhores e importantes recordações.

    Viva Portugal Restaurado Livre e Independente!
    Viva as Gentes de Lanheses!

    Obrigado a todos que puderam comparecer cá em casa e, além do nosso Presidente da C: M: de Viana do Castelo e Presidente da Junta de Lanheses que muito contribuíram, em especial ao autor desta reportagem e, mais ainda, pela criação deste poema histórico, adequado a este solene e patriótico momento.

    Bem haja. D. Lourenço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradecido pelas suas palavras na parte que me toca D. Lourenço.
      Aceite os meus respeitosos e amigos cumprimentos.

      Sérgio Moreira

      Eliminar
  2. Parabens pela interessante iniciativa

    ResponderEliminar