Páginas

sábado, 28 de fevereiro de 2015

NO RESTAURANTE ELISABETE GONÇALVES

Sarrabulho!

Tão conotado com esta época que entra na sua recta final, o Inverno, tal como o cozido à portuguesa que é referência gastronómica para o mês Fevereiro; come-se de modo belíssimamente elaborado e cozinhado em Lanheses, em troca de uma simples nota das azuis, aquelas notas que abundam normalmente nos bolsos dos mais livres ideologicamente (como o autor do blogue) contrapondo com os bolsos polpudos e bem recheados daqueles que gostam mais das notas em tom rosa, grandes e farfalhudas e também, mais agarrados à ideologia capitalista! Talvez embora, não menos apreciadores de tão saborosa iguaria culinária.

Num dos estabelecimentos comerciais sito no Largo da Feira, o Restaurante Elisabete Gonçalves, passe a publicidade, vem apaparicando sucessivamente o autor do blogue (metafóricamente escrevendo, porque os restaurantes não apaparicam alguém, antes sim, os seus proprietários) com saborosos pratos de autêntica culinária à portuguesa e seria no mínimo criminoso, que o mesmo autor não se despedisse de Fevereiro, prestando elogio à "Beta" pela forma como o tem servido, principalmente depois deste frugal prato de sarrabulho, bem servido e melhor cozinhado a um preço quase, quase...Bem, não merece comentários!


Numa palavra - DIVINAL!


Desculpem os porcos, os animais, que tão atroz morte sofrem para que sôfregos humanos não menos sofregamente, se deliciem com a cozinha tipicamente portuguesa, tipicamente minhota, experimentando como neste prato servido, uma verdadeira ode ao palato!

À "Beta", dedica o autor do blogue uma palavra - Parabéns!

Adeus Fevereiro, enfartado por cozidos e por sarrabulhos...

DESCOBRINDO OUTROS AUTORES

Maravilhoso mundo dos livros, onde a cada palavra a cada letra se vai descobrindo um sem fim de saborosas sensações, se vai conhecendo e aprendendo, partindo, lendo, também assim, à descoberta do mundo, através da leitura.

Rússia e Índia! Dois gigantes prontos para serem, através de letras e palavras, e da sua leitura, descobertos em logos minutos de deleite e prazer.





Daphne Kalotay com "Inverno Russo" e Suketu Mehta com "Maximum City", dois autores prontos a serem descobertos por um outro autor, menor em grandeza, embora grande em interesse, o autor do blogue.

Há que devorá-los! Fica a sugestão de leitura que há algum tempo não figurava no blogue.


OSLO TÃO BELA E DE NÓS, TÃO DIFERENTE

O viajante que entra no FRAM MUSEUM fica logo ali à entrada, tal como no VKINGS SHIP MUSEUM estarrecido perante a colossal visão que se perfila perante o olhar. Ali fechado entre "quatro paredes" e em "doca seca" (coberta) repousa um dos mais míticos navios jamais construídos para ser posto ao serviço da ciência, do conhecimento e do estudo. Construído de raiz para aguentar as mais duras condições climatéricas, os rigores dos mares do sul e do norte e de modo a estar preparado a ficar encalhado largos meses entre mares gelados, o FRAM foi o meio utilizado para que se explorasse uma das poucas áreas do globo terrestre que ainda não estava explorada, o não menos mítico, como o navio que ali chegou, Pólo Sul. 

A bordo e capitaneando-o Roald Amundsen, explorador e estudioso norueguês, venceu a batalha no início do século passado, pela conquista do pólo sul tendo sido o primeiro homem a colocar uma bandeira no ponto mais a sul do globo terrestre. 

O autor do blogue não vai entrar aqui em grandes explicações sobre estes e outros feitos, ou até sobre o navio, a informação está toda aí, espalhada pela Internet, apenas deixa uma recomendação, a de que, uma vez esteja em Oslo, não deixe o leito(a) de visitar este fabuloso museu e privar bem de perto com uma das mais míticas jóias da construção naval. 

Prepare 200K (coroas norueguesas) o equivalente a 23€ e maravilhe-se com um (bom) pedaço da história da exploração dos pólos, onde até poderá ver ursos polares e focas, embalsamados.






















Ao longo das paredes do museu está patente uma exposição muito interessante e completa, percorrendo os vários anos de história do navio, desde a sua construção até à sua atracagem em doca seca, onde actualmente se encontra albergado, pelas paredes e tectos do museu. 
Algumas das fotografias atrás postadas fazem parte dessa exposição e se, se escrever acerca do FRAM também se deve escrever acerca de Amundsen, com o navio tão conotado, ele que afirmou,que a base do seu sucesso para alcançar o pólo sul, foram os cães, sem eles e a sua força puxando trenós, jamais teria conseguido vencer a batalha pelo Pólo Sul...

Deixando o navio e o seu museu, entre inúmeras outras atracções visitadas uma nota final para um dos mais conhecidos e importantes locais a visitar em Oslo, o interior, pejado de salões ricamente ornamentados do Oslo City Hall, e o seu mais famoso salão, onde no mesmo, se faz a cerimónia de entrega do Prémio Nobel da Paz. 























Salão da Assembleia Municipal.





Encerra-se assim esta breve descrição relativa a Oslo, que segundo projectos do autor do blogue, não se quedará por aqui. No entanto será sempre de referir que uma das capitais mundiais que mais dizia ao mesmo autor, não defraudou em nada o modo como a imaginava e a termenda vontade que sentia em visitá-la!

Oslo tão bela, no entanto, de nós tão diferente, na passagem para o norte, o caminho para o norte como diz o nome do país que a alberga, recebeu o autor, de modo frio, gélido mesmo, no entanto absolutamente bela!

Talvez em breve, Copenhaga, o estabelecer de uma base em território dinamarquês e daí explorar toda a Escandinávia e Repúblicas Bálticas, que tanto apelo e apego ao espírito do autor do blogue, fazem...

A viagem não termina nunca, só homem termina...


sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

CARTAZ FUTEBOLÍSTICO

PARA OS EVENTUAIS INTERESSADOS, AQUI SE DIVULGA:




APOIE O CLUBE DA TERRA - UDL LANHESES


ENTREVISTA

Afastados pelas secretárias
mas, por palavras unidos,
discutindo coisas várias
assim versos, se fazem sentidos.

Num apelo às lembranças
recordo os tempos de escola
levando os livros na sacola
tempos em que éramos crianças!

No recreio, gritos e tropelias,
silêncio, na sala de aula,
recordo, como se fossem antigas fotografias,
a menina loirinha da turma, a Paula.

A quem agora deixo uma saudação
pelo convite e simpatia
um tremendo cumprimento de gratidão
fique assim escrito neste dia!

Para o seu programa sucesso
e para ela tudo de bom,
tremendamente agradecido me confesso
do fundo do coração!

Desde já a convido
a visitar o SS e Lanheses
a natureza pura, sentir no ouvido,
oxalá, à aldeia venha inúmeras vezes!

(do autor Sérgio Moreira)

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

HOJE ERA O TEU DIA

Hoje era o teu dia
hoje trocaríamos um abraço
hoje, resta a triste melancolia,
lâmina cortante e estilhaço,
de não estar em tua companhia
sinto-me triste, vence o cansaço!

Deixaste a vida tão cedo
ainda vivias tantos anos
vem até mim, eu tenho medo,
afasta de mim os desenganos
pensando em ti, tenho sossego,
abraçados como, dois seres humanos!

Um suspiro, assim dito, 
triturando um cruel - Ai!
A tua imagem, triste fito,
queria-te aqui, comigo, pai!




(do autor Sérgio Moreira)


quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

PODA DAS ÁRVORES DA FEIRA

Sacada há pouquíssimos minutos atrás, nesta fotografia se pode ver a poda que anualmente se faz às árvores no Largo da Feira. 

Embora não concordante, por variadíssimos aspectos ligados com o arvoredo, o autor do blogue, em meios com alguma densidade populacional, considera-o, necessário, no mínimo, quer em termos paisagísticos (os mais criticáveis), quer em termos de segurança, sendo estes os mais importantes.




Importa realçar, é que esta imagem está a ser postada praticamente em tempo real, destinada a todos aqueles olhares que se encontram distante de Lanheses e que, podem em tempo real, ter a noção do clima, do que vai acontecendo pela aldeia e "matar" saudades, mesmo que o céu acinzentado, não seja dos mais aprazíveis para se compor uma fotografia!


Uma webcam ali no centro cívico da aldeia, não seria de todo uma ideia desprezível...! Fica aqui a dica no blogue.


terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

A NATUREZA A DESPONTAR - Soneto

O Inverno está a terminar
os Salgueiros disso fazem prova
florindo, as árvores estão a mostrar,
que a vida de novo se renova!

Em breve será Primavera
assim desponte a vida
cantiga eterna, doce quimera,
desponte a natureza de forma tão colorida!

Cantem todas as aves do mundo
um terno e belo cantar
a natureza de um sono profundo
já está em Fevereiro a despontar!

Nos salgueiros flores estão a florir
a Natureza não deixa as árvores mentir...
















(do autor Sérgio Moreira)


OSLO TÃO BELA E DE NÓS, TÃO DIFERENTE (3)

Falar de Oslo e não falar de certos museus, não seria de todo, falar de Oslo, nomeadamente museus ligados à história marítima do país e intrinsecamente à sua cidade capital! Tal como nos portugueses, o noruegueses também foram um importante povo de navegadores e exploradores dos mares deste planeta azul. 
Na pequena (quando comparada com outras) península de Bygdoy, junto a Oslo e com ligação por estrada, encontram-se alguns dos museus mais completos, recheados de artefactos históricos, que mostram ao viajante um pouco daquilo que foi a história do país.

É aqui que muitos dos habitantes de Oslo, se dirigem, para praticar desporto, ou até para somente passar o dia entre locais de idílica beleza em comunhão com a natureza. A península é linda, o autor do blogue por ela se passeou, polvilhada por centenas de brancas casas cobertas por telhados negros e onde os seus habitantes vão vivendo o dia-a-dia calmamente. Nas garagens, estacionados, bons carros e junto às mesmas, muitos pares de esquis, desporto-rei aqui por terras do gelo! Nela abundam os arvoredos e espaços, que certamente, na primavera e verão noruegueses, serão verdes, o que lhe dará um encanto especial, não menos perdido, a quem como o autor do blogue, vindo do sul, da Europa latina, nada mais belo lhe pareça ao olhar que o gelado branco da paisagem!

Uma espécie de pequeno oásis gelado!






















Para além dos aspectos arquitectónicos, importa realçar novamente que nesta península, se encontram implantados alguns dos mais carismáticos museus noruegueses e deles o autor do blogue visitou dois, o museu dos barcos vikings e o museu FRAM

No primeiro, ao entrar, para além da confortável e calorosa sensação que é a de se estar num espaço quente, contrastando com o impiedoso frio do exterior, o viajante, logo ali, mal cruza as grossas e pesadas portas de madeira, fica boquiaberto com a fantástica e majestosa figura real que se mostra perante o olhar. Em exposição, o barco desenterrado em Oseberg, portanto com o mesmo nome, um drakkar viking do ano 820, descoberto numa mamoa e enterrado juntamente com o espólio de duas senhoras, que se julga, terem sido naqueles tempos deveras importantes, tal a riqueza e valor dos artefactos achados e desenterrados. Dos seus esqueletos restam alguns ossos que estão em exposição, juntamente com o barco, no museu. Para além deste encontram-se também mais dois barcos em exposição, assim como vários artefactos relacionados com a época, desde têxteis até carroças, ricamente ornamentadas e, utensílios vários, que estes povos usavam no seu dia-a-dia, dando ao viajante a conhecer um pouco da história deste país nórdico.

Os vikings eram prodigiosos navegadores e as suas construções atingiam velocidades fabulosas para a época, com cerca de vinte e dois metros de comprimento e cinco de largura, um mastro com dez metros de altura onde se pendurava uma vela quadrangular com cerca de noventa metros quadrados de pano, este barco assim como outros semelhantes foram postos ao serviço da exploração dos mares e facilmente estes nórdicos chegaram a vários cantos do globo, quer em busca de novas terras, quer em busca de riquezas e bens materiais. A eles associados está a célebre imagem do terror, sempre que à costa se via um drakkar viking, com a sua inconfundível e esguia silhueta, sinónimo para muitas populações à época, de pilhagem e de morte! Mas nem só de lendas se fizeram estes povos, valorosos guerreiros e intrépidos navegadores, notáveis que foram na história da civilização ocidental, mostrando-se ao mundo e ainda hoje, em tempos modernos, como civilizações das mais avançadas em todos os aspectos!

Alguns dos museus e memoriais que se podem visitar na península.


Viking Ship Museum 


Barco de Oseberg





Simplesmente fabuloso







Ao dar um salto no tempo com mais de dez séculos, o viajante deixa o museu, talvez como com o desejo do autor do blogue, o desejo de não mais sair dali, pois ali talvez mais não volte para o olhar se deliciar e apreciar estas históricas construções navais! Fenomenal!

Mas o tempo não perdoa e nestas temáticas relacionadas com o turismo, tudo tem de ser bem planeado pois o tempo escasseia e assim, a pé pelas geladas, embora tão belas, ruelas desta península, o autor do blogue se dirigiu para o outro histórico museu, onde no seu interior descansa um dos mais míticos navios jamais construídos e posto ao serviço da ciência na descoberta e exploração de algumas das paragens mais inóspitas, senão as mais, desta planeta azul! Nele se encerra o navio FRAM, que foi posto ao serviço da exploração dos pólos norte e sul, comandado entre outros, por um dos mais notáveis homens de todos os tempos, Roald Amundsen, explorador e estudioso, símbolo da Noruega e da sagacidade deste povo do norte, primeiro a pôr os pés no pólo sul e primeiro a voar de avião sobre o pólo norte, cruzando o mesmo!


FRAM MUSEUM 


Ao olhar do leitor(a), o edifício pode parecer algo despropositado, mas o autor do blogue explica. Depois de uma carreira notável ao serviço da ciência e da exploração, os noruegueses decidiram que era tempo deste mítico barco repousar, de uma "vida" a enfrentar gelos e correntes marítimas geladas e assim, em doca seca, atracaram o barco e ali por cima dele construíram o edifício, que rasa justamente o topo do mastro mais alto. Obra engenhosa e que ainda mais vem engrandecer este barco já de si grande!


MOAI - Réplica das estátuas encontradas na remota Ilha de Páscoa


Kon-Tiki museum


Estas e outras considerações ficarão para outro tópico, onde se mostrará o FRAM e a despedida a Bygdoy Península. Outros museus se encontram aqui nos arredores, nomeadamente o Norsk Folkemuseum, o Kon-Tiki Museum, associado às descobertas de um outro famoso norueguês, Thor Heyerdahl, que mostrou e provou ao mundo científico a bordo de uma jangada que quem descobriu e povoou os territórios, hoje em dia correspondentes à Polinésia Francesa e Ilha de Páscoa, foram os habitantes da América latina e não os orientais de paragens como Japão, China e outros povos orientais e que na época, a ciência, erradamente proclamava; um memorial sobre o holocausto e o Museu da Marinha Norueguesa, entre outros de menor relevância. O autor do blogue visitou aqueles que mais lhe tocavam, com pena de (talvez) se vir a arrepender, de não ter visitado o Norsk Folkemuseum onde a céu aberto o viajante pode manter estreito contacto com algumas das construções civis usadas desde há séculos na Noruega, usos e costumes dos seus povos. 

Voltando a Oslo, e o autor do blogue voltará, se a vida assim o permitir, este museu a céu aberto não escapará ao seu olhar...


segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

LANHESES E O SSVSA EM ENTREVISTA NA RÁDIO GEICE

No âmbito da realização e gestão deste espaço virtual, a que o autor do blogue decidiu um dia, dar o nome de SOMETHING SPECIAL DO VALE DA SERRA D´ARGA - SSVSA, se divulga que o mesmo autor será entrevistado na emissora local - RÁDIO GEICE - 90.8FM, no magazine cultural ArtMagazine, em emissão que irá para o ar dia 04 de Março às 22.00H.

Na entrevista se revisitará o percurso do autor do blogue, o blogue e a sua profunda ligação a Lanheses, à sua cultura e componente natural/ambiental, assim como se tentará desvendar um pouco aspectos da personalidade da pessoa que está por trás da realização desta página virtual.



A todos que eventualmente se possam interessar, o autor do blogue vem por este meio convidar a que acompanham radiofónicamente esta entrevista.


04 de Março às 22.00H - ArtMagazine - RÁDIO GEICE 90.8FM


O LOBO NO ALTO MINHO - DIVULGAÇÃO

Para os eventuais interessados aqui se divulga:

A COREMA, em conjunto com a ACHLI - Associação de Conservação do Habitat do Lobo Ibérico, vai realizar uma acção subordinada ao tema "O Lobo no Alto-Minho", no próximo dia 28 de Fevereiro pelas 15.00h na sede da União de Freguesias de Arga, em Arga de Baixo, Caminha, Cujo programa abaixo se anexa.

Nesta iniciativa que contará com a presença de um responsável do Instituto de Conservação de Natureza e das Florestas - ICNF - tem o apoio do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos - CIBIO - da Universidade do Porto, do Grupo Lobo e da União de Freguesias de Arga.

Francisco Álvares, pela CIBIO, marcará presença. Autor de um dos mais completos estudos sobre as populações de lobos no conjunto montanhoso BARROSO/LAROUCO e sua interligação e relação com as populações daquelas remotas zonas, conflitos, crenças e desmistificação, que viria depois a ser reunido num dos mais completos livros sobre o tema em Portugal. "Bitcho Bravo - A incrível história do potuguês que viveu 10 anos com lobos", da autoria de Ricardo Rodrigues - e já aqui tido, como sugestão de leitura, no blogue. 









Uma belíssima sugestão cultural e ambiental, à qual o autor do blogue não poderá faltar e a todos os eventuais interessados, uma vez mais, convida a participar, em tempos que lhe parecem, a "Alcateia do Atlântico" possa estar a ser reunida, de novo, com a presença de lobos na Serra d´Arga!


sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

ASSEMBLEIA GERAL DE SÓCIOS - CASA DO POVO DE LANHESES

Para os eventuais interessados aqui se divulga:

Assembleia Geral de Sócios da instituição, Casa do Povo de Lanheses, dia 03 de Março de 2015, pelas 20.30h, onde se tratarão assuntos vários, de acordo com a convocatória/edital abaixo postada(o).



Casa do Povo de Lanheses


OSLO TÃO BELA E DE NÓS, TÃO DIFERENTE 2

Oslo é uma cidade relativamente pequena, quando comparada com outras capitais europeias e se, como o autor do blogue, alojados estiverem num hotel localizado bem no centro da cidade, como o THON HOTEL CECIL***, entre o belíssimo edifício do parlamento norueguês e o majestoso edifício do Teatro Nacional, então tudo está ali à mão para ser observado e numa pequena caminhada o viajante tomará conhecimento das belezas que a cidade tem para mostrar. Desde logo a artéria principal da cidade a Karl Johans Gate, que liga a estação central ao Palácio Real, edifício majestoso e que o autor do blogue achou curioso, contrapondo com os edifícios estatais em Portugal,  não ter um único gradeamento que o proteja da plebe e onde os naturais e estrangeiros se passeiam livremente, nomeadamente pelos seus jardins, já seu interior a história é outra e visitas só entre os meses de Julho e Agosto! Até nisso os noruegueses são de latinos diferentes! Depois ocorre ali num ínfimo número de metros quadrados toda uma série de construções monumentais, tais como a Universidade, a Galeria Nacional o City Hall (Câmara Municipal) a Opera, a Catedral e até o Hard Rock Café, este último, inserido num belíssimo edifício!


Parlamento norueguês.


Grand Hotel, monumental edifício onde no seu topo se erguem as bandeiras dos países escandinavos, Dinamarca, Noruega, Suécia e Finlândia.


Fabuloso City Hall, uma espécie de câmara municipal, aqui se fazem cerimónias de entrega do Prémio Nobel.



Universidade de Oslo.



A extraordinária beleza do Palácio Real.



Idem...



Aproveitando para esquiar, sem esquis, no gelo sempre abundante...(risos)!



Monumental edifício do Teatro Nacional!


Idem...



Artéria principal em Oslo.


















Catedral de Oslo.



Aliados, classicismo e modernismo, Oslo é assim!






Hard Rock Café Oslo


O mediático e moderno edifício da Opera de Oslo, uma espécie de "Casa da Música" da cidade, como no Porto, embora em escala muito maior.









Todas estas atracções se encontram relativamente perto umas das outras e que melhor cenário do que estes para se iniciar uma visita a esta bela cidade.

Mas Oslo não se fica por aqui, existem "trilhentos" outros  atractivos para serem visitados, quer mais ou quer menos distantes, alguns deles a cerca de oito quilómetros do centro da cidade, e que merecem a atenção do viajante que se desloque à capital norueguesa, distribuídos por monumentos ou museus de relevar importância.

O autor do blogue visitou alguns daqueles que mais importantes para si acha e que se seguirão num próximo tópico, aqui no blogue, a ele destinados.