Páginas

terça-feira, 30 de agosto de 2016

MILHEIRAL 2016 - 03 e 04 de Setembro de 2016

Para os eventuais interessados, aqui se divulga o programa e flyers relativos a um dos grandes eventos culturais da aldeia, que já se avizinha no horizonte próximo!

É já no próximo fim-de-semana!


FESTA NO MILHEIRAL

Noite de Sábado e todo o dia de Domingo.






VENHA FAZER A FESTA PARTICIPE NESTE MEGA PIQUENIQUE!


E PORQUE NÃO O CARRO DO CÂNTARO?

A rainha das romarias findou-se, já lá vão uns dias, pensará o leitor(a) e está certo, tão certo como a água que corre no rio e vai desaguar ao mar; mas, na memória do autor do blogue ficam os dias de festa, de uma festa, ou melhor ainda, de uma das melhores edições da Romaria d´Agonia, das que o autor do blogue já assistiu! E foram só três pequenos dias...

Uma moldura humana tremenda durante três "pequenos dias", tão pequenos mas tão pequenos, que festividade assim mereceria no mínimo uma semana de "sete pequenos dias", dias esses que mesmo assim, pois, seriam certamente, pequenos; cerca de um milhão e setecentas mil pessoas passaram e passearam-se pelas ruas e ruelas da Princesa do Lima, um colorido inigualável, o traje à Vianesa, a tremenda beleza da mulher alto-minhota, um frenesim tremendo de sons e de odores, onde Reis e Rainhas desta edição foram os Gigantones e cabeçudos, rodopiando de forma caricata ao som do troar dos bombos tocados pelas mãos dos elementos dos grupos de Zés p´reiras!






O desfile de mordomia, o traje à vianesa, as bandas de música, os bombos, as procissões e demais actos de fé, a ribeira em festa, os tapetes coloridos de sal, as iluminações nocturnas, a serenata uma ode ao amor, o beijo do gigantone, as feiras francas e número maior o cortejo histórico e etnográfico, este ano sob um tema vastíssimo para ser explorado, Gigantones e cabeçudos!

E aqui um solene sentimento de tristeza, por entre tantos e tantos carros alegóricos, alusivos às mais variadas freguesias do concelho, em tão monumental desfile, não participar o carro do cântaro representando esta tão nobre e riquíssima, em costumes e tradições, aldeia de Lanheses!

Porque não o carro do cântaro? 
Porque teimar em não representar com orgulho, brio e profundo bairrismo, a génese, tradições usos e costumes ancestrais de uma das mais e ainda mais ruralizadas aldeias do concelho, perante o olhar sôfrego de centenas de milhar de pessoas que todos os anos e edições assistem a este número grandioso, espalhadas pelas avenidas de Viana do Castelo?

E onde desfilam os rostos das belíssimas mulheres de Lanheses, nesta majestosa passadeira de verdadeira mostra cultural? Pelo que o autor do blogue pôde presenciar, com o seu olhar, desfilaram distribuídas pelos quadros referentes à vizinha freguesia de Vila Mou, que uma vez mais e muito bem, afirma peremptoriamente o autor do blogue, se fez representar com o de mais e melhor que caracteriza a sua matriz cultural.

Estes belos rostos seriam dignos, envergando o não menos belo traje de terras de Lanheses (não menosprezando a citada anteriormente e vizinha freguesia), seriam dignos como se escrevia, de desfilarem em tão afamada e imponente passadeira, representando a sua terra natal, a freguesia de onde orgulhosamente são oriundos, Lanheses! Secundando ou antecipando um dos sempre e mais aclamados carros alegóricos de tão alegórico cortejo, o carro do CÂNTARO de LANHESES!

E onde estão os muitos fatos de trajar, espólio do afamado Grupo Folclórico da Casa do Povo de Lanheses, que poderiam ser envergados, através de responsável empréstimo, por sete, (SETE) belíssimas lanhesenses de gema, dos "quatro custados" como se afirma na gíria, que com orgulho desejavam desfilar pela passadeira vianense e disso se viram impossibilitadas por não terem o que envergar?

Algumas perguntas ficarão sem resposta, normal, ou não, não compete a quem escreve julgar, mesmo tendo a sua opinião. Outras exclamações, necessitarão para próximas edições, nesta mostra cultural, de atitude enérgica e responsável, para que de uma vez por todas orgulhosamente se grite, enquanto se desfilam os usos e costumes ancestrais desta aldeia por tão afamadas avenidas:

- ESTAMOS AQUI! SOMOS, E ISTO É, LANHESES! 


Belíssimas!


E NEM UMA "CARREIRA(DA)" em Ponte de Lima, cuja edilidade desde sempre lidou muito mal com o sucesso das festas maiores do distrito, a romaria das romarias (lamentável e grosseira a atitude em noite de Domingo), afastou vianenses e forasteiros da sua sempre e bela Princesa do Lima e das festas em honra da sua padroeira. Senhora d´Agonia!

O carro do cântaro, voltará a desfilar pelas avenidas de Viana do Castelo, em breve...

- ISTO É LANHESES!


quarta-feira, 24 de agosto de 2016

É TEMPO DE VOLTAR ÀS PALAVRAS!

Eis o regresso à escrita! 

Eis aqui o regresso a casa, às paredes caiadas de conforto e de ternura, onde reina a calma, neste reino que é seu, e onde o autor do blogue, reinando, vai passando os seus dias perdido entre amor, escrita e muita viagem virtual, que num futuro próximo ou longínquo, se virá a tornar realidade! E o autor do blogue viaja muito...

Ficam na memória os doces dias passados na não menos doce Grécia, quase, quase a terceira moradia deste autor; sorte daqueles que possam ter moradias por esse mundo espalhadas(!) e, se a primeira, bem conhecida de todos, na bela Lanheses que este autor leva sempre no coração, vá para onde vá, a segunda e terceira não lhe são menos importantes, Barcelona, conforto do abraço terno de uma irmã e a Grécia, as ilhas, pelas quais este mesmo autor se perdeu de amores, terra bafejada pela fortuna natural, acompanhado (sempre) pelo seu amor físico e espiritual, a companheira desta vida, entre dias de sol, calor, beijos em lábios carnudos, bronzeada e despida pele, tão bela que ela é(!), dois corpos emersos em cálidas e cristalinas águas de um azul turquesa tão belo e tão belo, sortes pelas quais humano ser não tem como não se apaixonar!

Grécia! Já lhe sente uma saudade incrível, dolorosa, por ali, largos meses, não poder voltar...


















Ficam algumas imagens guardadas em sonhos e lembranças, uma lágrima pelo rosto corre por ali sofregamente desejar voltar mais rápido que o rápido que possa vir a sê-lo; é tempo de voltar à escrita, é tempo de divagar como os ventos divagam pelos ares, pelo universo das palavras!


O blogue e o seu autor estão de volta, e claro também, é salutar deveras...

Voltar a casa!!!




quarta-feira, 3 de agosto de 2016

XXXVII FESTIVAL DE FOLCLORE da CASA DO POVO DE LANHESES

Para os eventuais interessados aqui se divulga, à semelhança de edições anteriores, o sempre muito aguardado e participado, pelo público lanhesense e forasteiro, FESTIVAL DE FOLCLORE organizado pela CASA DO POVO DE LANHESES, desta feita na sua trigésima sétima edição, tendo como cenário habitual, o idílico jardim e nobre frontaria da Casa dos Condes d´Almada, mais conhecida por Paço de Lanheses.




Ausente por motivos de férias, o autor do blogue a todos aqui deixa votos de um dia e noite bem agradáveis e que mais este festival se paute pelo enorme sucesso, como aliás tem vindo a acontecer. 

EXCELENTE FESTIVAL!